OFERTA FORMATIVA

Ref. 2801 Inscrições Fechadas

Registo de acreditação: CFAEBM-472324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 09-07-2024

Fim: 09-07-2024

Regime: Presencial

Local: Biocant, Cantanhede

Formador

Isabel Maria Rodrigues Bernardo

Rui Marques de Abreu

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas Beira Mar

Enquadramento

O aparecimento do ChatGPT, em novembro de 2022, e a sua rápida adoção pelos utilizadores trouxeram para a discussão pública o impacto da Inteligência Artificial (IA) generativa, tanto na sociedade, em geral, como na educação, em particular. No entanto, o uso da IA na educação já tem décadas e a discussão do seu impacto tem de ir muito para além da IA generativa, de que o ChatGPT é, no momento, apenas um exemplo. O uso da IA na educação, para além dos desafios práticos da sua incorporação nas atividades de ensino e aprendizagem, levanta um conjunto alargado de questões éticas. Como lidamos com as questões de privacidade e de consentimento informado quando usamos plataformas e aplicações digitais? Qual a transparência no manuseamento dos dados recolhidos? Pode a utilização da IA na educação ser desviada para uma relação de vigilância? De que forma o uso da IA está relacionado com o propósito da educação e com o tipo de abordagem pedagógica? Qual a relação entre o papel do professor e o uso da IA? Pode o uso da IA aumentar o hiato no acesso ao conhecimento e à aprendizagem? A reflexão sobre estas questões é fundamental para orientar o desenvolvimento futuro da IA na educação, pelas implicações éticas, sociais e pedagógicas das mudanças tecnológicas às quais estamos a assistir.

Objetivos

- Discutir as potencialidades e os riscos do uso da IA na Educação - Conhecer funcionalidades com IA em aplicações digitais que podem ser usadas no ensino e aprendizagem e na avaliação pedagógica

Conteúdos

Mesa de abertura Conferência de abertura Do que é a IA aos fundamentos éticos da sua utilização na educação Parte 1 | Mesa-redonda Riscos e desafios da IA: haverá mesmo uma mudança na educação? (cada participante começa por apresentar uma tese, dentro da sua área de especialização, e o moderador aprofunda; reservam-se cerca de 20 minutos para perguntas do público) Parte 2 | Agir Um mundo mágico? Utilização de ferramentas com IA no ensino e aprendizagem Pode ser verdade? Práticas de avaliação formativa e sumativa com IA

Anexo(s)

AFCD 280


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 09-07-2024 (Terça-feira) 09:30 - 12:30 3:00 Presencial
2 09-07-2024 (Terça-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 2811 Inscrições abertas até 12-07-2024 INSCREVER-ME

Registo de acreditação: CFAEBM-482324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 13-07-2024

Fim: 13-07-2024

Regime: Presencial

Local: Auditório Atrium Mira, Mira

Formador

Paula Cristina da Cruz Castelhano

Dina Maria da Rocha Inocêncio

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas Beira Mar

Enquadramento

A escola, anteriormente entendida como transmissora de conhecimentos e habilidades culturalmente acumulados, tais como, ler, escrever, calcular e saberes sobre o mundo físico e social é, nos dias de hoje, concebida como promotora de uma educação mais abrangente, integrando quatro pilares que a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) reconhece - conhecer, ser, fazer e conviver (Prette & Prette, 2022). A escola é também o local que reúne caraterísticas ideais para a promoção da saúde mental, quer na prevenção, quer na intervenção dirigida a variáveis como o bem-estar (Simões et al., 2018). As intervenções em aprendizagem social e emocional, ensinam competências de inteligência emocional e melhoram as atitudes das crianças e adolescentes face ao self, aos outros e à escola, promovem o desenvolvimento de comportamentos positivos, o aumento do rendimento académico, a redução de problemas de comportamento negativo e problemas emocionais, e a diminuição de comportamentos de risco (Taylor at al., como referido por Ascenso, 2022; Corconan, Cheung, Kim & Xie como referido por Ferreira, 2020). Os docentes são cada vez mais reconhecidos como influenciadores das aprendizagens das crianças e jovens em domínios que vão para além da aprendizagem académica, tal como a aprendizagem socioemocional (Carvalho et al., 2019). Estes desempenham um papel fundamental na saúde mental dos seus alunos, assim como, na identificação precoce de sinais de sofrimento mental e na intervenção, através da prestação de ajuda ou encaminhamento dos alunos para a rede de suporte adequado (Maclean & Law, 2022). Por outro lado, aumentam a eficácia das intervenções em saúde mental em meio escolar, promovendo a sustentabilidade e resultados positivos a longo prazo das intervenções (McLaughlin et al., 2012). São estes quem passa mais horas junto da criança, modelando-a a cada momento, pelo que, é essencial que reúnam ferramentas que melhor se adequam à promoção da saúde mental da comunidade educativa. Não obstante, as crenças e motivações destes profissionais ou, eventualmente, atitudes negativas e estigma perante a doença mental, podem revelar-se dificultadoras da identificação de sinais de sofrimento. Esta situação poderá estar associada ao sentimento de incapacidade face às necessidades das crianças e/ou à necessidade de formação na área da saúde mental (Maclean & Law, 2022). De acordo com Varela et al., (2018), cerca de 76% dos professores portugueses apresentam sinais exaustão emocional. Os mesmos autores consideram fundamental investir na escola, nas condições de trabalho e na formação de professores de modo a promover o seu bem-estar e realização profissional para dar resposta aos desafios da escola atual. Promover o desenvolvimento socioemocional potencia, tanto a alunos como a adultos envolvidos, o desenvolvimento de atitudes, conhecimentos e competências, necessárias à identificação e regulação de emoções bem-sucedida, com consequências positivas nas decisões e nas relações (Carvalho et al., 2019).

Objetivos

• Promover a saúde e o bem-estar mental, em toda a comunidade educativa; • Promover o desenvolvimento de competências socioemocionais • Consciencializar para a importância do autoconhecimento no processo da autorregulação emocional • Instruir e treinar técnicas de regulação emocional • Capacitar para a identificação e encaminhamento de situações que justifiquem um acompanhamento especializado

Conteúdos

• Saúde mental versus doença mental • Introdução às competências Socioemocionais • Estratégias de regulação emocional • Identificação de sinais de alerta de sofrimento emocional em si e nos outros • Como ajudar/encaminhar situações identificadas

Anexo(s)

AFCD 281


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 13-07-2024 (Sábado) 10:00 - 13:00 3:00 Presencial
2 13-07-2024 (Sábado) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 2821 Inscrições abertas até 19-07-2024 INSCREVER-ME

Registo de acreditação: CFAEBM-492324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 20-07-2024

Fim: 20-07-2024

Regime: Presencial

Local: Auditório Atrium Mira, Mira

Formador

Paula Cristina da Cruz Castelhano

Dina Maria da Rocha Inocêncio

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas Beira Mar

Enquadramento

A escola, anteriormente entendida como transmissora de conhecimentos e habilidades culturalmente acumulados, tais como, ler, escrever, calcular e saberes sobre o mundo físico e social é, nos dias de hoje, concebida como promotora de uma educação mais abrangente, integrando quatro pilares que a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) reconhece - conhecer, ser, fazer e conviver (Prette & Prette, 2022). A escola é também o local que reúne caraterísticas ideais para a promoção da saúde mental, quer na prevenção, quer na intervenção dirigida a variáveis como o bem-estar (Simões et al., 2018). As intervenções em aprendizagem social e emocional, ensinam competências de inteligência emocional e melhoram as atitudes das crianças e adolescentes face ao self, aos outros e à escola, promovem o desenvolvimento de comportamentos positivos, o aumento do rendimento académico, a redução de problemas de comportamento negativo e problemas emocionais, e a diminuição de comportamentos de risco (Taylor at al., como referido por Ascenso, 2022; Corconan, Cheung, Kim & Xie como referido por Ferreira, 2020). Os docentes são cada vez mais reconhecidos como influenciadores das aprendizagens das crianças e jovens em domínios que vão para além da aprendizagem académica, tal como a aprendizagem socioemocional (Carvalho et al., 2019). Estes desempenham um papel fundamental na saúde mental dos seus alunos, assim como, na identificação precoce de sinais de sofrimento mental e na intervenção, através da prestação de ajuda ou encaminhamento dos alunos para a rede de suporte adequado (Maclean & Law, 2022). Por outro lado, aumentam a eficácia das intervenções em saúde mental em meio escolar, promovendo a sustentabilidade e resultados positivos a longo prazo das intervenções (McLaughlin et al., 2012). São estes quem passa mais horas junto da criança, modelando-a a cada momento, pelo que, é essencial que reúnam ferramentas que melhor se adequam à promoção da saúde mental da comunidade educativa. Não obstante, as crenças e motivações destes profissionais ou, eventualmente, atitudes negativas e estigma perante a doença mental, podem revelar-se dificultadoras da identificação de sinais de sofrimento. Esta situação poderá estar associada ao sentimento de incapacidade face às necessidades das crianças e/ou à necessidade de formação na área da saúde mental (Maclean & Law, 2022). De acordo com Varela et al., (2018), cerca de 76% dos professores portugueses apresentam sinais exaustão emocional. Os mesmos autores consideram fundamental investir na escola, nas condições de trabalho e na formação de professores de modo a promover o seu bem-estar e realização profissional para dar resposta aos desafios da escola atual. Promover o desenvolvimento socioemocional potencia, tanto a alunos como a adultos envolvidos, o desenvolvimento de atitudes, conhecimentos e competências, necessárias à identificação e regulação de emoções bem-sucedida, com consequências positivas nas decisões e nas relações (Carvalho et al., 2019).

Objetivos

• Promover a saúde e o bem-estar mental, em toda a comunidade educativa; • Promover o desenvolvimento de competências socioemocionais • Consciencializar para a importância do autoconhecimento no processo da autorregulação emocional • Instruir e treinar técnicas de regulação emocional • Capacitar para a identificação e encaminhamento de situações que justifiquem um acompanhamento especializado

Conteúdos

• Saúde mental versus doença mental • Introdução às competências Socioemocionais • Estratégias de regulação emocional • Identificação de sinais de alerta de sofrimento emocional em si e nos outros • Como ajudar/encaminhar situações identificadas

Anexo(s)

AFCD 282


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 20-07-2024 (Sábado) 10:00 - 13:00 3:00 Presencial
2 20-07-2024 (Sábado) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial

INSCREVER-ME

Ref. 2613 Inscrições Fechadas

Registo de acreditação: CFAEBM-302324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 02-10-2024

Fim: 02-10-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Louise Lima

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial e Estudantes Universitários

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade Porto

Objetivos

1. Distinguir, de acordo com a comunidade científica internacional, entre ações educativas baseadas em opiniões ou boatos e ações educativas baseadas em evidências científicas 1.1. Procedimentos e indicadores internacionais 2. Conhecer recursos de acesso aberto, baseados em evidências científicas, sobre impacto social, aos níveis nacional e internacional 2.2. Como lhes aceder 2.3. Como os usar nas aulas

Conteúdos

1. Identificar e distinguir entre boatos e evidências científicas com impacto social • Equívocos existentes relacionados com a violência de género que persistem em contextos educativos • Evidências existentes silenciadas • Consequências pedagógicas e de aprendizagem da utilização de uns ou de outros 2. Recursos de acesso aberto • Introdução à plataforma Sappho sobre as evidências de género lançada pelo projeto ALLINTERACT (H2020) • Identificação e uso de evidências científicas de acesso aberto 3. Implementação de Métodos Dialógicos em sala de aula • Introdução aos Métodos Dialógicos • Aplicação Prática de Métodos Dialógicos em Ambientes Educacionais

Anexo(s)

cartaz-de-divulgacao_maio.jpg


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 02-10-2024 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona

Ref. 2623 Inscrições Fechadas

Registo de acreditação: CFAEBM-312324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 09-10-2024

Fim: 09-10-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Louise Lima

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade Porto

Objetivos

1. Obter conhecimento da literatura científica internacional sobre a dimensão do problema; 2. Identificar formas pelas quais as escolas e as comunidades estão a erradicar internacionalmente esta realidade; 3. Desenvolver uma compreensão abrangente de como implementar intervenções baseadas na ciência que envolvam a comunidade.

Conteúdos

1. Os fatores-chave da comunidade científica internacional: processos de socialização da violência de gênero, interações sociais, discurso coercitivo 2. Socialização, agentes sociais e interações sociais face à violência ou à rejeição da violência: • Interações familiares • Interações entre centros educativos • Interações nas redes sociais • Interações entre pares • Fatores de proteção: - amizade, amor ideal - Clube dos Bravos Violência Zero


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 09-10-2024 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona

Ref. 2633 Inscrições Fechadas

Registo de acreditação: CFAEBM-322324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 16-10-2024

Fim: 16-10-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Louise Lima

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade Porto

Objetivos

1. Compreender resultados da literatura científica sobre a diversidade de modelos de masculinidade e a sua ligação à violência 2. Identificar a importância sublinhada pela investigação científica sobre os atos comunicativos promotores da coerção e do consentimento nas relações 3. Compreender as bases do envolvimento comunitário como prevenção e intervenção contra a violência de género

Conteúdos

1. Modelos de masculinidade identificados na literatura científica Distinguir entre: • Masculinidades que agem contra a violência • Masculinidades que promovem a violência 2. Identificação e promoção de ambientes educativos pluralistas e livres de violência. Tome uma posição, rejeitando qualquer comportamento violento 3. Consentimento versus Coerção nos relacionamentos. • Atos comunicativos • Interações de poder: físicas, institucionais e interativas 4. Prevenção e intervenção comunitária em contextos educativos: • Redes de solidariedade • Intervenção de espectador • Amizade • Isolamento da violência de gênero


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 16-10-2024 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Online síncrona

Ref. 2841 A decorrer

Registo de acreditação: CFAEBM-512324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 12-06-2024

Fim: 19-06-2024

Regime: Presencial

Local: Auditório Atrium Mira, Mira

Formador

Paula Cristina Faustino Silva

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas Beira Mar

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva constitui um enorme desafio para novas práticas nas escolas. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha desbravem caminho e orientem todos os agentes educativos para as mudanças a realizar.

Objetivos

- Criar um espaço de análise reflexiva conjunta, acerca dos princípios orientadores do Decreto-Lei n.º 54/2018, de 6 de julho e das suas implicações na organização das escolas e das práticas educativas; - Analisar as medidas de suporte à aprendizagem e à inclusão e o processo de mobilização dessas mesmas medidas, numa perspetiva de abordagem multinível; - Conhecer os recursos específicos (humanos e organizacionais) necessários para a sua implementação; - Analisar os documentos que suportam a aplicação do normativo (Relatório Técnico Pedagógico/ Programa Educativo Individual).

Conteúdos

1. Exploração do documento legislativo (Decreto-lei n.º 54/2018) 2. Abordagem multinível 3. Desenho Universal para a Aprendizagem 4. Elaboração de Relatório Técnico Pedagógico/ Programa Educativo Individual

Anexo(s)

AFCD 284


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 12-06-2024 (Quarta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 Presencial
2 19-06-2024 (Quarta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 Presencial

Ref. 2851 Em avaliação

Registo de acreditação: CFAEBM-522324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 05-06-2024

Fim: 13-06-2024

Regime: Presencial

Local: Auditório Atrium Mira, Mira

Formador

Patrícia Alexandra Leandro Pinho

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Câmara Municipal de Mira

Enquadramento

A formação pretendida insere-se no âmbito do Plano Municipal para a Igualdade e a Não Discriminação do Município de Mira. Sendo a Violência Doméstica um problema que, em crescendo, se vem a sentir na sociedade, o qual muito influencia a vida/rotina diária de muitas crianças e jovens, os adultos que diariamente convivem com essas crianças deverão estar especialmente atentos e capacitados para detetar essas situações e para saber como apoiar/encaminhar/denunciar os diversos casos.

Objetivos

1. Aumentar os níveis de conhecimento sobre as desigualdades, descriminação, violência de género e violência doméstica; 2. Reforçar a capacitação para a intervenção nas equipas técnicas especializadas e/ou não especializadas.

Conteúdos

Módulo I Violência doméstica e de género: conhecer a situação e refletir sobre ela (3 horas) 1. Enquadramento Geral; 2. Dinâmicas e processos associados à Violência Doméstica. Módulo II Violência doméstica: princípios de intervenção (3 horas) 1. Procedimentos de intervenção nas escolas 2. Casos Práticos

Anexo(s)

AFCD 285


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 05-06-2024 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 13-06-2024 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial

Ref. 2861 Em avaliação

Registo de acreditação: CFAEBM-532324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 05-06-2024

Fim: 13-06-2024

Regime: Presencial

Local: Auditório Atrium Mira, Mira

Formador

Patrícia Alexandra Leandro Pinho

Destinatários

Pessoal não docente;

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Câmara Municipal de Mira

Enquadramento

A formação pretendida insere-se no âmbito do Plano Municipal para a Igualdade e a Não Discriminação do Município de Mira. Sendo a Violência Doméstica um problema que, em crescendo, se vem a sentir na sociedade, o qual muito influencia a vida/rotina diária de muitas crianças e jovens, os adultos que diariamente convivem com essas crianças deverão estar especialmente atentos e capacitados para detetar essas situações e para saber como apoiar/encaminhar/denunciar os diversos casos.

Objetivos

1. Aumentar os níveis de conhecimento sobre as desigualdades, descriminação, violência de género e violência doméstica; 2. Reforçar a capacitação para a intervenção nas equipas técnicas especializadas e/ou não especializadas.

Conteúdos

Módulo I Violência doméstica e de género: conhecer a situação e refletir sobre ela (3 horas) 1. Enquadramento Geral; 2. Dinâmicas e processos associados à Violência Doméstica. Módulo II Violência doméstica: princípios de intervenção (3 horas) 1. Procedimentos de intervenção nas escolas 2. Casos Práticos

Anexo(s)

AFCD 286


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 05-06-2024 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 13-06-2024 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial

Ref. 2321 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-120753/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 04-05-2024

Fim: 25-05-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Isabel Maria Rodrigues Bernardo

Mário Sérgio Azenha Lagoa

Teresa Maria Morais

Destinatários

410

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de 410. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de 410.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Associação de Professores de Filosofia

Enquadramento

A avaliação, enquanto processo de recolha de informação com vista à tomada de decisões, é uma componente essencial do processo de ensino e aprendizagem. No entanto, e apesar do volume de investigação produzido nas últimas quatro a cinco décadas, a avaliação continua, em muitos casos, a ser entendida como um processo classificatório e certificador, pontual e externo ao ensino e à aprendizagem. Em Portugal, nos últimos quatro anos, por via da formação de professores, tem-se procurado alterar as práticas de avaliação docente, visando conferir à avaliação uma dimensão pedagógica. Esta intervenção tem sido, sobretudo, institucional, ao nível da definição de referenciais de avaliação comuns para cada escola/agrupamento. Se a definição e operacionalização de políticas de avaliação e de classificação comuns não são fáceis de realizar, outro aspeto igualmente difícil reside na transposição didática de uma conceção pedagógica de avaliação, tendo em consideração o cruzamento entre os saberes disciplinares específicos (no caso, a filosofia), as finalidades do sistema educativo não superior (neste caso definido pelo Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória), ações pedagógicas fundamentadas em metodologias ditas ativas e, eventualmente, desenvolvidas em ambientes híbridos, e o envolvimento de diferentes atores, em particular os alunos e professores.

Objetivos

1. Discutir o papel do ensino da Filosofia no ensino secundário. 2. Contrapor uma conceção tradicional de avaliação com uma conceção pedagógica de avaliação. 3. Refletir sobre as condições institucionais, pedagógicas e didáticas da implementação de uma conceção pedagógica de avaliação na disciplina de Filosofia. 4. Problematizar a possível dificuldade do entrelaçamento das condições acima referidas. 5. Assimilar a importância da avaliação para a melhoria das aprendizagens dos alunos, reforçando a sua dimensão formativa e, em particular, do feedback, nas suas diferentes vertentes. 6. Experimentar procedimentos didáticos para a introdução da dimensão formativa da avaliação. 7. Aferir a relevância da utilização de tecnologias digitais para a introdução da dimensão formativa da avaliação. 8. Planificar sequências de ensino e aprendizagem assentes numa conceção pedagógica de avaliação.

Conteúdos

A) Conceções sobre o papel da disciplina de Filosofia no ensino secundário e sua articulação com uma conceção de avaliação. (1h síncrona) B) Da conceção classificadora e certificadora da avaliação a uma conceção pedagógica da avaliação. (1h síncrona) C) Condições para a implementação de uma conceção pedagógica da avaliação no ensino e aprendizagem da filosofia (7h síncronas) 1. Institucionais – dos referenciais de avaliação/políticas de avaliação e de classificação às práticas de sala de aula. 2. Pedagógicas – o papel das metodologias ativas e das tecnologias digitais. 3. Didáticas – avaliação de conhecimentos, capacidades e disposições filosóficas. D) Práticas de avaliação pedagógica no ensino e aprendizagem da Filosofia: da teoria à experimentação e à prática. (9h síncronas + 7h assíncronas)

Metodologias

As sessões terão um carácter teórico, teórico-prático e prático-reflexivo, segundo o esquema que se segue. Trabalho em sessões síncronas Apresentação e discussão dos fundamentos teóricos, tanto na dimensão pedagógica como didática. (9h) Exploração de exemplos, já testados pelos formadores, de sequências de ensino e aprendizagem, assentes numa conceção pedagógica de avaliação e com uso de tecnologias digitais para introdução de feedback. (4h) Apresentação e discussão de uma planificação de uma sequência de ensino e aprendizagem, elaborada colaborativamente pelos formandos, com introdução de feedback pelos pares e formadores. (2,5h) Apresentação e discussão de uma segunda planificação de uma sequência de ensino e aprendizagem, elaborada colaborativamente pelos formandos, com introdução de feedback pelos pares e formadores. (2,5h) Trabalho autónomo/assíncrono (7h) Planificação de duas sequências de ensino e aprendizagem, a apresentar e discutir em sessões síncronas, com integração intencional e explícita de procedimentos de avaliação com dimensão formativa, sumativa e classificatória.

Avaliação

1. Participação: 50% a. Participação - 10% b. Realização das Tarefas nas Sessões - 40% (trabalho desenvolvido nas sessões, nomeadamente duas planificações de ensino e aprendizagem, realizada em trabalho colaborativo, e com incorporação de uma dimensão pedagógica de avaliação e que será submetida a discussão interpares) 2. Reflexão: 50% a. Realização, no final da Ação, de um Relatório final individual escrito (reflexão final, elaborada a partir de uma reflexão crítica, teoricamente fundamentada, sobre as planificações realizadas e processo de progressão em função da discussão colaborativa). Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais. Trabalhos práticos e reflexões efetuadas, a partir das e nas sessões presenciais e online, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados na escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores – Excelente.

Bibliografia

Bernardo, I., Vieira, R. M., & Sá, A. F. (2021). Avaliação para as aprendizagens com tecnologias digitais na aula de Filosofia com integração do pensamento crítico. In. A. Versuti, G. Scareli, G., & L. Pedro (Orgs.). A educação pós-pandemia: Desafios pedagógicos e tecnológicos, pp. 125-154. Ria Editorial.Bernardo, I., Vieira., R., & Sá, A. F. (2021). Uso de tecnologias digitais na triangulação da avaliação no ensino e aprendizagem da Filosofia. In A. J. Osório, M. J. Gomes, A. Ramos, & A. L. Valente (Eds.), Challenges 2021, desafios do digital: Livro de atas (pp. 819-834). Universidade do Minho. Centro de Competência. https://tinyurl.com/2p96hp6dFernandes, D. (2019b). Para um enquadramento teórico da avaliação formativa e da avaliação sumativa das aprendizagens escolares. In M.I. R. Ortigão, D. Fernandes, T. V. Pereira, & L. Santos (Orgs.). Avaliar para aprender em Portugal e no Brasil: Perspectivas teóricas, práticas e de desenvolvimento (pp.139-164). CRVFerraz, M. J., Carvalho, A., Dantas, C., Cavaco, H., Barbosa, J., Tourais, L., & Neves, N. (1994). Avaliação Criterial e avaliação normativa. In Domingos Fernandes (Coord.). Pensar a avaliação, melhorar a aprendizagem (Folha A/4). Lisboa: IIE. Disponível em https://tinyurl.com/y4toh3ovLopes, J., & Silva, H. S. (2012). 50 técnicas de avaliação formativa. Lisboa: Lidel.


Observações

Esta Ação de formação pressupõe pagamento, após confirmação da APFilosofia - mais informação em apfilosofia.org

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 04-05-2024 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
2 11-05-2024 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
3 18-05-2024 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
4 25-05-2024 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona

Ref. 2301 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-120821/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 27-04-2024

Fim: 31-05-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Luis Filipe Sarmento Verissimo

Destinatários

410

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de 410. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de 410.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Associação de Professores de Filosofia

Enquadramento

As Aprendizagens Essenciais (AE) de Filosofia, tanto no 10.º como no 11.º anos de escolaridade, abrem, nos “temas-problema”, a possibilidade de exploração e aprofundamento das temáticas filosóficas. Esta possibilidade alarga substancialmente a flexibilidade dos percursos filosóficos e permite uma ligação entre o conhecimento filosófico tradicional e as investigações contemporâneas, profusamente ricas e dialogantes com outras áreas do saber. Porém, há muito pouca formação contínua de professores em áreas de investigação filosófica contemporânea que permitam aos professores um contacto como novas linhas de investigação e sua relação com os conteúdos nucleares das AE. Com este curso pretende-se aproximar os formandos da discussão contemporânea em torno de um dos problemas centrais da filosofia: o problema da identidade pessoal e promover o contacto com textos de referência da discussão neste domínio. A questão da identidade pessoal coloca em causa outros conceitos, a partir dos quais entendemos a natureza humana, tais como os de agência, moralidade, responsabilidade, valor e significado, tópicos centrais na ética e na filosofia política, explorados no 10.º ano de escolaridade.

Objetivos

No final da formação os formandos deverão ser capazes de: √ Compreender o problema da identidade pessoal. √ Distinguir identidade numérica de identidade qualitativa. √ Caracterizar devidamente as diferentes teses em confronto no que diz respeito ao problema da identidade pessoal. √ Avaliar criticamente os argumentos centrais envolvidos na discussão do problema da identidade pessoal. √ Desenhar uma sequência de ensino e aprendizagem aplicável em sala de aula.

Conteúdos

1. O problema da identidade pessoal 2. A noção de pessoa 3. Identidade numérica vs. Identidade qualitativa 4. O critério da continuidade psicológica 4.1. Lockeanismo 4.2. Neo-lockeanismo (Derek Parfit) 5. O critério da continuidade espácio-temporal 5.1. Animalismo (Eric Olson) 5.2. Mentalismo (Jeff MacMahan)

Metodologias

As sessões terão um carácter teórico, teórico-prático e prático-reflexivo, segundo o esquema que se segue. Trabalho em sessões síncronas (20h) Exploração de conceitos e teorias. Leitura crítica de textos de referência. Apresentação e discussão de trabalhos realizados pelos/as formandos/as. Trabalho autónomo/assíncrono (5h) Planificação de uma sequência de ensino e aprendizagem, acompanhada de uma fundamentação teórica e didática.

Avaliação

1. Participação: 50% a. Participação - 10% b. Realização das Tarefas nas Sessões - 40% 2. Reflexão: 50% a. Realização individual de uma planificação de uma sequência de ensino e aprendizagem, didática e teoricamente fundamentada. Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais. Trabalhos práticos e reflexões efetuadas, a partir das e nas sessões presenciais e online, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados na escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores – Excelente.

Bibliografia

Galvão, P. (2013). Identidade Pessoal. J. Branquinho & R. Santos (Eds.). Compêndio em Linha de Problemas de Filosofia Analítica. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa.Locke, J. (1694). Of Identity and Diversity. J. Perry (1975). Personal Identity. Oakland: University of California Press.McMahan, J., & Campbell, T. (2010). Animalism and the varieties of Conjoined twinning. Philosophy of Medical Research and Practice, 31, 285-301.Olson, E. (2003). An argument for animalism. R. Martin & J. Baresi (Orgs.) Personal Identity. MA: Blackwell.Parfit, D. (1984). Reasons and persons. Oxford: Oxford University Press.


Observações

Esta Ação de formação pressupõe pagamento, após confirmação da APFilosofia - mais informação em apfilosofia.org

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 27-04-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
2 03-05-2024 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
3 04-05-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
4 10-05-2024 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
5 11-05-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
6 17-05-2024 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
7 18-05-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
8 24-05-2024 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
9 25-05-2024 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
10 31-05-2024 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona

Ref. 1536 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115719/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 20-04-2024

Fim: 01-06-2024

Regime: b-learning

Local: Escola Sec Dr Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz e online

Formador

Maria Helena Santos Ramos

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimento dos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização e concretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning, nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar. Trabalho autónomo (25h)

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022


Observações

Esta Ação destina-se apenas aos Professores do Grupo 100 (Educadores de Infância)

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 20-04-2024 (Sábado) 09:00 - 14:00 5:00 Presencial
2 23-04-2024 (Terça-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Online síncrona
3 02-05-2024 (Quinta-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Online síncrona
4 09-05-2024 (Quinta-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Online síncrona
5 16-05-2024 (Quinta-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Online síncrona
6 23-05-2024 (Quinta-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Online síncrona
7 28-05-2024 (Terça-feira) 17:00 - 19:30 2:30 Online síncrona
8 01-06-2024 (Sábado) 09:00 - 14:00 5:00 Presencial

Ref. 15310 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115719/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 20-04-2024

Fim: 08-06-2024

Regime: b-learning

Local: Escola Sec Dr Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz e online

Formador

Fernanda Paula Fernandes dos Reis Pinheiro

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimento dos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização e concretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning, nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar. Trabalho autónomo (25h)

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022


Observações

Esta Ação destina-se apenas aos Professores dos Grupos 240, 250, 530, 540, 560, 600, 610

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 20-04-2024 (Sábado) 09:00 - 14:00 5:00 Presencial
2 24-04-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
3 29-04-2024 (Segunda-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
4 09-05-2024 (Quinta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
5 22-05-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
6 27-05-2024 (Segunda-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
7 03-06-2024 (Segunda-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
8 08-06-2024 (Sábado) 09:00 - 14:00 5:00 Presencial

Ref. 2721 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-123404/24

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 20-04-2024

Fim: 08-06-2024

Regime: Presencial

Local: Escola Sec Dr Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz

Formador

Maria da Assuncao Rainho Ataide das Neves

Destinatários

Educadores de Infância e Professores do Ensino Básico, Secundário e Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância e Professores do Ensino Básico, Secundário e Professores de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas Beira Mar

Enquadramento

Apesar da legislação em vigor, Decreto-Lei n.º 54/2018 de 6 de julho, a inclusão dos alunos com Perturbação do Espetro do Autismo (PEA) e a aplicação de estratégias adequadas, atendendo a todas as suas caraterísticas específicas, continua a ser um desafio constante para todos os profissionais que intervêm com estes alunos, sendo reconhecida a necessidade de formação especializada nesta área. Perante as características de cada aluno é necessário criar uma resposta única com um programa de intervenção adequado que privilegie um trabalho individualizado e específico, podendo ter como base diferentes abordagens. As dificuldades em compreender todos os mecanismos da interação social e comunicativa acentuam os comportamentos desadequados que, consequentemente, limitam a atividade e participação do aluno com PEA nos diferentes contextos.

Objetivos

- Proporcionar aos formandos um conjunto de saberes teórico-práticos sobre a problemática das Perturbações do Espetro do Autismo que lhes permitam planear e implementar diferentes processos de intervenção em contextos reais. - Desenvolver consciência acerca do perfil de aprendizagem de cada aluno, nas suas limitações e potencialidades, e da necessidade de intervir diferenciadamente. - Adaptar e reformular práticas pedagógicas que promovam as competências e minimizem as dificuldades dos alunos com PEA, otimizando a sua inclusão no sistema regular de ensino, de acordo com o Decreto-Lei n.º 54/2018 de 6 de julho. - Adquirir hábitos de planeamento e de organização de estratégias adaptadas às necessidades destes alunos, implementando mudanças na forma como ensinam e apoiam alunos com PEA.

Conteúdos

- Visão global das PEA (5 horas) - O impacto de autismo na aprendizagem (5 horas) - Compreender para intervir: (in)flexibilidade (5 horas) - Modelos e estratégias de intervenção (10 horas)

Metodologias

Apresentação teórica; Formação de grupos de trabalho para reflexão; Visionamento de filmes. Serão utilizadas metodologias que promovam a participação ativa e o envolvimento efetivo dos formandos, valorizando-se a experiência pedagógica e a aplicabilidade dos conhecimentos adquiridos durante a ação de formação. A componente teórica, com recurso a metodologias expositivas tendo como suporte meios audiovisuais, irá fornecer as informações necessárias para que, na componente prática, os formandos, em grupo, reflitam e elaborem diferentes materiais que os ajudem a intervir diferenciadamente na sala de aula

Avaliação

Elaboração e avaliação de um conjunto de estratégias a desenvolver com os alunos com PEA. Avaliação quantitativa dos formandos, expressa numa escala de 1 a 10 valores, com base nos seguintes parâmetros e ponderação: - Participação ativa/Envolvimento efetivo (50%) - Exercício Prático Final (50%) (consiste numa atividade proposta pelas formadoras.)

Bibliografia

- Decreto-Lei n.º 54/2018 de 6 de julho- Compreender o autismo: Estratégias para alunos com autismo nas escolas regulares. Autor: Hewitt, S. Editora: Porto Editora. Ano: 2006- Dificuldades de Aprendizagem não Verbais na Escola - Ensinar Alunos com DANV, Síndroma de Asperger e Condições Associadas Autor: Tanguay, Pamela B. Editora: Porto Editora Ano: 2007- Como Alcançar o Sucesso: Estratégias práticas e fichas de trabalho para o ensino de alunos com perturbações do espectro do autismo Autor: Sue Larkey Editora: Porto Editora Ano: 2008- A Síndrome de Asperger. Autor: Attwood, T. Editora Verbo Ano: 2006


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 20-04-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 04-05-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
3 11-05-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
4 18-05-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
5 25-05-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
6 08-06-2024 (Sábado) 09:00 - 14:00 5:00 Presencial

Ref. 1537 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115719/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 13-04-2024

Fim: 01-06-2024

Regime: b-learning

Local: Escola Sec Dr Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz e online

Formador

Maria Teresa da Silva Rosa

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimento dos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização e concretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning, nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar. Trabalho autónomo (25h)

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022


Observações

Esta Ação destina-se apenas aos Professores dos Grupos 200, 210, 220, 300, 310, 320, 330, 340, 350

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 13-04-2024 (Sábado) 09:00 - 14:00 5:00 Presencial
2 17-04-2024 (Quarta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
3 08-05-2024 (Quarta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
4 15-05-2024 (Quarta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
5 17-05-2024 (Sexta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
6 22-05-2024 (Quarta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
7 29-05-2024 (Quarta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
8 01-06-2024 (Sábado) 09:00 - 14:00 5:00 Presencial

Ref. 1538 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115719/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 13-04-2024

Fim: 01-06-2024

Regime: b-learning

Local: Escola Sec Dr Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz e online

Formador

Vitor João dos Santos Macedo Oliveira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimento dos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização e concretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning, nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar. Trabalho autónomo (25h)

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022


Observações

Esta Ação destina-se apenas aos Professores dos Grupos 290, 400, 410, 420, 430

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 13-04-2024 (Sábado) 09:00 - 14:00 5:00 Presencial
2 19-04-2024 (Sexta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
3 24-04-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
4 03-05-2024 (Sexta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
5 08-05-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
6 15-05-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
7 22-05-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
8 01-06-2024 (Sábado) 09:00 - 14:00 5:00 Presencial

Ref. 1539 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115719/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 13-04-2024

Fim: 08-06-2024

Regime: b-learning

Local: Escola Sec Dr Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz e online

Formador

Pedro Manuel Leal Alberto

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimento dos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização e concretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning, nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar. Trabalho autónomo (25h)

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022


Observações

Esta Ação destina-se apenas aos Professores dos Grupos 230, 500, 510, 520, 550

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 13-04-2024 (Sábado) 09:00 - 14:00 5:00 Presencial
2 16-04-2024 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
3 23-04-2024 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
4 07-05-2024 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
5 14-05-2024 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
6 21-05-2024 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
7 28-05-2024 (Terça-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
8 08-06-2024 (Sábado) 09:00 - 14:00 5:00 Presencial

Ref. 2661 Em avaliação

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-122868/24

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 13-04-2024

Fim: 08-06-2024

Regime: Presencial

Local: Escola Sec Dr Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz

Formador

Ana Maria Cerdeira Santos

Destinatários

Professores dos Grupos 110, 120

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 110, 120. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 110, 120.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Enquadramento

As crianças têm uma curiosidade inata e, inevitavelmente, são diariamente expostas a estímulos e experiências múltiplas que nem sempre absorvem ou aos quais respondem da forma mais assertiva. Despertar, incentivar e desenvolver as capacidades crítica e criativa das crianças passa, muitas vezes, pela planificação de atividades assentes em materiais e documentos “menos óbvios”. Nesta oficina propõe-se a abordagem e desenvolvimento de atividades interartes orientadas (música, poesia, pintura, escultura e cinema) que, apelando à vivência das crianças, as possam implicar de forma mais ativa, participativa e autónoma no seu processo de aprendizagem.

Objetivos

No final desta ação espera-se que os formandos possam planificar com recurso a estratégias e metodologias de trabalho diferenciadas que contribuam para: - a planificação de atividades a partir de diversas linguagens e manifestações culturais e artísticas; - desenvolvimento de estratégias que permitam uma maior interação e participação oral por parte dos alunos; - o desenvolvimento/despertar da capacidade crítica e criativa dos alunos; - sensibilizar e motivar os alunos para técnicas de produção textual e de interpretação textual/artística.

Conteúdos

1. Princípios de semiótica: sentido vs significado (3h) 2. Arte, Poesia e Música: associar, comparar e interpretar (3h) 3. A música e a arte enquanto linguagens universais: literacia vs gosto (3h) 4. O diálogo interartes: conceito e proposta de atividades (3h) a. A música enquanto linguagem universal – conteúdos cantados são conteúdos memorizados (3h) b. Poesia visual – criar para melhor ler e escrever (3h) c. A arte enquanto expressão individual – ilustrar é interpretar (3h) 5. Apresentação e discussão dos trabalhos realizados (4h, última sessão)

Avaliação

Os critérios gerais de avaliação definidos pelo CFAE Beira Mar têm subjacentes a aplicação das alterações ao Regime Jurídico da Formação Contínua determinadas pelo art.º 4.º do Decreto Lei n.º 15/07 de 19 de janeiro, conjugadas com as orientações emanadas através das Cartas Circulares do CCPFC, bem como o seu Regulamento para acreditação e creditação de Ações de formação contínua. 1. Participação (total 30%) Participação oral: 10% Realização das Tarefas nas Sessões: 20% 2. Trabalhos (total 50%) Produção de Trabalhos e/ou Materiais: 30% Investigação / implementação: 20% 3. Reflexão final individual escrita (total 20%)

Bibliografia

Barricelli & Gibaldi, ed (1982).- Interrelations of Literature, New York: The Modern Language Association of America, 1982Lotman, Yuri - Estética e Semiótica do Cinema - Editorial EstampaReis, Carlos e Ana Cristina M. Lopes - Dicionário de Narratologia - Coimbra: Almedina, 2002Silva, Vitor Manuel Aguiar - Teoria e Metodologias Literárias - Lisboa: Universidade Aberta, 1990Sousa, Sérgio Paulo Guimarães - Relações Intersemiótica entre o Cinema e a Literatura - Braga: Universidade do Minho - Centro de Estudo Humanisticos, 2001


Observações

Esta Ação destina-se apenas aos Professores dos Grupos 110 e 120

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 13-04-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 20-04-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
3 11-05-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
4 18-05-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
5 01-06-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
6 08-06-2024 (Sábado) 09:00 - 14:00 5:00 Presencial

Ref. 2681 Em avaliação

Registo de acreditação: CFAEBM-362324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 13-03-2024

Fim: 08-05-2024

Regime: Presencial

Local: Museu Municipal Santos Rocha, Figueira da Foz

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas Beira Mar

Enquadramento

O Município da Figueira da Foz promove, em parceria com a Universidade Sénior da Figueira da Foz (USFF), no âmbito da sua disciplina de Património, a 8.ª edição do Ciclo de Conferências “Temas de Arqueologia”. Esta iniciativa é uma parceria que inclui, ainda, o Museu Municipal Santos Rocha, a Associação Viver em Alegria, e o Centro de Formação de Associação de Escola Beira Mar. Estas Conferências enquadram-se nas aulas da disciplina de Património da Universidade Sénior da Figueira da Foz, tutelada pela Associação Viver em Alegria e, para além do público privilegiado da Universidade, as aulas/conferências são abertas à comunidade (seniores ou jovens, professores ou estudantes, historiadores, interessados, etc). O Ciclo de 2024 dos “Temas de Arqueologia” integra seis conferências, subordinadas ao tema O Mar da Figueira da Foz: arqueologia náutica e subaquática.

Conteúdos

13.03.24 | Arqueologia do mundo da água, amanhã: o motor operatório da utopia Jean Yves Blot, CHAM - Centro de Humanidades, FCSH, Univ. Nova de Lisboa 20.03.24 | Arqueologia no estuário do Mondego: a marinha dos Herdeiros (Vila Verde) Cândida Simplício, IAS – Investigação Arqueológica Subaquática, Lda. Marco Penajoia, Município da Figueira da Foz, 10.04.24 | Arqueologia subaquática no porto da Figueira da Foz: os sítios Figueira da Foz 3, Figueira da Foz 4 e Cabedelo José António Bettencourt, CHAM - Centro de Humanidades, FCSH, Univ. Nova de Lisboa Cândida Simplício, IAS - Investigação Arqueológica Subaquática, Lda. 17.04.24 | Entre o rio e o oceano: a salvaguarda do Património Cultural Arqueológico Marítimo e Subaquático na Figueira da Foz Pedro Barros, CNANS - Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática 24.04.24 | O património é de todos: uma base de dados do património subaquático português Filipe Castro, CFE, Univ. de Coimbra, Campus da Figueira da Foz 08.05.24 | O efeito de reservatório oceânico e as condições oceanográficas na orla atlântica da Península Ibérica. Variabilidade durante o Holocénico Monge Soares, Centro de Ciências e Tecnologias Nucleares (C2TN), Instituto Superior Técnico, Univ. de Lisboa

Anexo(s)

AFCD 268



Ref. 2701 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-382324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 18-05-2024

Fim: 18-05-2024

Regime: Presencial

Local: Fundación Tormes (Salamanca)

Formador

Sónia Patrícia da Silva Valente

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

Esta ação de curta duração integra-se num conjunto de vários encontros formativos, dinamizados com o intuito de trabalhar com o pessoal docente, profissionais da educação e pessoas interessadas as temáticas da educação na e pela natureza. Estas ações de curta duração serão realizadas no âmbito do projeto Educ@rteNatureza, projeto que tem como desígnio contribuir para desenhar, desenvolver, implementar e avaliar o modelo de educação através da natureza, dando Voz e Valor aos espaços que nos cercam contando histórias que se querem ilustradas e, também, mediadas pelas tecnologias.

Objetivos

- Conhecer as características da fauna, flora, paisagem e usos do rio Tormes, desde a nascente até à foz; - Analisar as implicações educativas das instalações artísticas; - Potenciar o desenvolvimento de competências de forma transversal.

Conteúdos

1. “Arte emboscado” - Arte e natureza; 2. Características da flora, variedades morfológicas e os hábitos da fauna local; 3. Atividades desenvolvidas com recurso a elementos da natureza.

Anexo(s)

AFCD 270


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 18-05-2024 (Sábado) 12:00 - 15:00 3:00 Presencial

Ref. 2632 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-322324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 16-05-2024

Fim: 16-05-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Daniela Ferreira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade Porto

Objetivos

1. Compreender resultados da literatura científica sobre a diversidade de modelos de masculinidade e a sua ligação à violência 2. Identificar a importância sublinhada pela investigação científica sobre os atos comunicativos promotores da coerção e do consentimento nas relações 3. Compreender as bases do envolvimento comunitário como prevenção e intervenção contra a violência de género

Conteúdos

1. Modelos de masculinidade identificados na literatura científica Distinguir entre: • Masculinidades que agem contra a violência • Masculinidades que promovem a violência 2. Identificação e promoção de ambientes educativos pluralistas e livres de violência. Tome uma posição, rejeitando qualquer comportamento violento 3. Consentimento versus Coerção nos relacionamentos. • Atos comunicativos • Interações de poder: físicas, institucionais e interativas 4. Prevenção e intervenção comunitária em contextos educativos: • Redes de solidariedade • Intervenção de espectador • Amizade • Isolamento da violência de gênero


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 16-05-2024 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona

Ref. 263.23 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM - 452324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 16-05-2024

Fim: 16-05-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Daniela Ferreira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial e Estudantes Universitários

Certificado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade Porto

Objetivos

1. Compreender resultados da literatura científica sobre a diversidade de modelos de masculinidade e a sua ligação à violência 2. Identificar a importância sublinhada pela investigação científica sobre os atos comunicativos promotores da coerção e do consentimento nas relações 3. Compreender as bases do envolvimento comunitário como prevenção e intervenção contra a violência de género

Conteúdos

1. Modelos de masculinidade identificados na literatura científica Distinguir entre: • Masculinidades que agem contra a violência • Masculinidades que promovem a violência 2. Identificação e promoção de ambientes educativos pluralistas e livres de violência. Tome uma posição, rejeitando qualquer comportamento violento 3. Consentimento versus Coerção nos relacionamentos. • Atos comunicativos • Interações de poder: físicas, institucionais e interativas 4. Prevenção e intervenção comunitária em contextos educativos: • Redes de solidariedade • Intervenção de espectador • Amizade • Isolamento da violência de gênero


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 16-05-2024 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona

Ref. 2791 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-462324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 15-05-2024

Fim: 15-05-2024

Regime: Presencial

Local: Sala EVT1 Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos Dr. Pedrosa Ver

Formador

Fernanda Maria Carvalho Silva

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

O Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória sugere que os alunos estejam no centro dos processos pedagógicos. Desta forma, importa promover uma reflexão sobre a elaboração de materiais, nomeadamente enunciados para facilitar a interpretação para a posterior execução da instrução dada, contribuindo, assim, para uma melhoria das suas aprendizagens e do seu sucesso escolar.

Objetivos

- Analisar diferentes tipos de enunciados. -Capacitar os professores com novas metodologias para a elaboração de instrumentos de trabalho/avaliação. - Promover um trabalho colaborativo entre professores do mesmo Agrupamento. - Disseminar, junto de outros professores, os conhecimentos adquiridos.

Conteúdos

- Análise de diferentes tipos de enunciados; - Partilha de situações de aprendizagem através de aplicações de tarefas. - Articulação de materiais entre professores de diferentes grupos disciplinares. - Discussão de ideias/tarefas desenvolvidas.

Anexo(s)

AFCD 279


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 15-05-2024 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 2831 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-502324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 14-05-2024

Fim: 20-05-2024

Regime: Presencial

Local: AE Paião

Formador

Zara Fani Gonçalves Teixeira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Universidade de Coimbra

Enquadramento

Mais de 80% do lixo marinho que atinge o oceano tem origem em terra e é transportada para o ambiente marinho pelos rios e ribeiras. É um problema global que afeta o oceano, a vida marinha e a saúde humana, sendo responsável pela morte anual de cerca de 100 mil mamíferos marinhos e 1 milhão de aves marinhas. Embora o lixo marinho seja uma das fontes de problemas de poluição mais difundidas pelo planeta, é uma para a qual os cidadãos individualmente podem ser parte da solução. Reduzir, reciclar e gerir adequadamente o lixo é fundamental para proteger os oceanos e a vida marinha. Esta ação de formação pretende sensibilizar os formandos sobre a dimensão do problema do lixo marinho e a importância da sua gestão para garantir a proteção dos ecossistemas marinhos. Permitirá capacitar educadores a incluir o tema do lixo marinho nas suas práticas pedagógicas, promovendo a educação ambiental nas escolas. Desta forma esta ação de formação terá a capacidade de dar resposta à necessidade de formação em temáticas ambientais e de cidadania apoiando os docentes na atualização de conceitos de base científica e na inclusão de metodologias de trabalho que valorizem o conhecimento e a ação.

Objetivos

Pretende-se que os docentes adquiram conhecimentos sobre a temática do Lixo Marinho e que contribuam para uma maior sensibilização dos alunos para esta temática. Objetivos Gerais • Conhecer o conceito de lixo marinho, os diferentes tipos, as suas fontes, impactos nos seres vivos e metodologia de recolha e análise de dados; • Planear atividade

Conteúdos

I. Lixo Marinho: tipos, fontes e impactos; II. Metodologia de monitorização em contexto escolar.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 14-05-2024 (Terça-feira) 16:00 - 18:00 2:00 Presencial
2 20-05-2024 (Segunda-feira) 14:30 - 18:30 4:00 Presencial

Ref. 2622 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-312324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 09-05-2024

Fim: 09-05-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Daniela Ferreira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade Porto

Objetivos

1. Obter conhecimento da literatura científica internacional sobre a dimensão do problema; 2. Identificar formas pelas quais as escolas e as comunidades estão a erradicar internacionalmente esta realidade; 3. Desenvolver uma compreensão abrangente de como implementar intervenções baseadas na ciência que envolvam a comunidade.

Conteúdos

1. Os fatores-chave da comunidade científica internacional: processos de socialização da violência de gênero, interações sociais, discurso coercitivo 2. Socialização, agentes sociais e interações sociais face à violência ou à rejeição da violência: • Interações familiares • Interações entre centros educativos • Interações nas redes sociais • Interações entre pares • Fatores de proteção: - amizade, amor ideal - Clube dos Bravos Violência Zero


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 09-05-2024 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona

Ref. 262.23 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM - 442324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 09-05-2024

Fim: 09-05-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Daniela Ferreira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial e Estudantes Universitários

Certificado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade Porto

Enquadramento

Formação Inicial de Base

Objetivos

1. Obter conhecimento da literatura científica internacional sobre a dimensão do problema; 2. Identificar formas pelas quais as escolas e as comunidades estão a erradicar internacionalmente esta realidade; 3. Desenvolver uma compreensão abrangente de como implementar intervenções baseadas na ciência que envolvam a comunidade.

Conteúdos

1. Os fatores-chave da comunidade científica internacional: processos de socialização da violência de gênero, interações sociais, discurso coercitivo 2. Socialização, agentes sociais e interações sociais face à violência ou à rejeição da violência: • Interações familiares • Interações entre centros educativos • Interações nas redes sociais • Interações entre pares • Fatores de proteção: - amizade, amor ideal - Clube dos Bravos Violência Zero


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 09-05-2024 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona

Ref. 2612 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-302324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 08-05-2024

Fim: 08-05-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Daniela Ferreira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial e Estudantes Universitários

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade Porto

Objetivos

1. Distinguir, de acordo com a comunidade científica internacional, entre ações educativas baseadas em opiniões ou boatos e ações educativas baseadas em evidências científicas 1.1. Procedimentos e indicadores internacionais 2. Conhecer recursos de acesso aberto, baseados em evidências científicas, sobre impacto social, aos níveis nacional e internacional 2.2. Como lhes aceder 2.3. Como os usar nas aulas

Conteúdos

1. Identificar e distinguir entre boatos e evidências científicas com impacto social • Equívocos existentes relacionados com a violência de género que persistem em contextos educativos • Evidências existentes silenciadas • Consequências pedagógicas e de aprendizagem da utilização de uns ou de outros 2. Recursos de acesso aberto • Introdução à plataforma Sappho sobre as evidências de género lançada pelo projeto ALLINTERACT (H2020) • Identificação e uso de evidências científicas de acesso aberto 3. Implementação de Métodos Dialógicos em sala de aula • Introdução aos Métodos Dialógicos • Aplicação Prática de Métodos Dialógicos em Ambientes Educacionais

Anexo(s)

cartaz-de-divulgacao_maio.jpg


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 08-05-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona

Ref. 261.23 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM - 432324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 08-05-2024

Fim: 08-05-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Daniela Ferreira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial e Estudantes Universitários

Certificado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade Porto

Enquadramento

1. Distinguir, de acordo com a comunidade científica internacional, entre ações educativas baseadas em opiniões ou boatos e ações educativas baseadas em evidências científicas 1.1. Procedimentos e indicadores internacionais 2. Conhecer recursos de acesso aberto, baseados em evidências científicas, sobre impacto social, aos níveis nacional e internacional 2.2. Como lhes aceder 2.3. Como os usar nas aulas

Objetivos

1. Identificar e distinguir entre boatos e evidências científicas com impacto social • Equívocos existentes relacionados com a violência de género que persistem em contextos educativos • Evidências existentes silenciadas • Consequências pedagógicas e de aprendizagem da utilização de uns ou de outros 2. Recursos de acesso aberto • Introdução à plataforma Sappho sobre as evidências de género lançada pelo projeto ALLINTERACT (H2020) • Identificação e uso de evidências científicas de acesso aberto 3. Implementação de Métodos Dialógicos em sala de aula • Introdução aos Métodos Dialógicos • Aplicação Prática de Métodos Dialógicos em Ambientes Educacionais


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 08-05-2024 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona

Ref. 2343 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-120750/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 20-04-2024

Fim: 18-05-2024

Regime: Presencial

Local: Clube Náutico da Praia de Mira

Formador

Antonio Manuel Santana de Lima Miguel

Destinatários

260, 620

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de 260, 620. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de 260, 620.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Enquadramento

São razões justificativas desta ação a existência de um Centro de Formação Desportiva de Remo e Náuticas do Desporto Escolar em franca expansão, docentes motivados para os desportos náuticos, a existência de um plano de água com boas características para a prática de desportos náuticos (Barrinha da Praia de Mira) a existência de um grande apetrechamento de material náutico adquirido pelo CFD de Remo e Náuticas do Desporto Escolar do Agrupamento de Escolas de Mira, com a possibilidade de utilização do material do Clube Náutico da Praia de Mira (entidade que possui protocolo com o Agrupamento de Escolas de Mira/Desporto Escolar). Fundamental também, foi o interesse manifestado por diversos professores de Educação Física de Unidades Orgânicas da região do CFAE Beira Mar, em terem formação em remo e desportos náuticos - muitas dessas Escolas já possuem clubes de Desporto Escolar de atividades náuticas, tendo, portanto, necessidade de formar professores na área.

Objetivos

- Transmitir conhecimentos que permitam aos formandos adquirir as competências necessárias para a divulgação de algumas modalidades náuticas aos alunos, adquirir noções de técnica e procedimentos de segurança; - Promover práticas de trabalho colaborativo e cooperativo na construção e desenvolvimento de projetos de iniciação ao remo e outras modalidades náuticas em contexto escolar, elaborando recursos educativos de suporte ao desenvolvimento desses projetos; - Proporcionar aos formandos aprendizagens relacionadas com a prática de atividades náuticas em diversos tipos de embarcações, cumprindo sempre as regras de segurança e respeitando sempre os princípios da preservação do meio ambiente; - Partilhar boas práticas no âmbito das atividades náuticas em contexto escolar, trocando experiências e sugestões para a melhoria do desempenho docente nesta área de formação.

Conteúdos

Algumas técnicas da modalidade de Remo e outras modalidades náuticas Experimentação de várias modalidades náuticas No plano de água da Barrinha da Praia de Mira – Remo, Canoagem (sit-on-top) e Paddle Técnicas de utilização diferentes tipos de embarcações Transporte e manutenção de equipamentos de remo Entrada na água Regras de circulação Transporte e manutenção de equipamentos Protocolos de segurança náutica Análise de um Plano de Segurança Noções de Segurança Náutica Utilização de meios de previsão meteorológica – o exemplo do Windguru Utilização de material de segurança - equipamento e procedimentos O apoio do barco a motor Organização de eventos de náutica desportiva escolar- Licenciamento da Prova Comunicações e autorizações Planos de segurança Logística Distribuição de tarefas Legislação/documentação Algumas noções de arbitragem de Remo Regulamentos específicos de algumas modalidades náuticas do Desporto Escolar. Protocolos e parcerias Os Desportos Náuticos Adaptados Participação dos alunos com NEE Adaptação do material Noções de Remo Indoor O Remo ergómetro – conhecimento, utilização e técnica Conhecimento do material náutico - embarcações Remo, canoagem e paddle Planificação de atividades náuticas em contexto escolar Elaboração de uma planificação do Desporto Escolar A prática de desportos náuticos com preocupação de respeito ambiental O respeito pela natureza e meio local Utilização sustentável dos cursos de água As modalidades náuticas no Desporto Escolar Os núcleos das modalidades náuticas Os Centros de Formação Desportiva de Desportos Náuticos do Desporto Escolar O exemplo do Centro de Formação Desportiva de Remo e Náuticas do Desporto Escolar do Agrupamento de Escolas de Mira As parcerias: o exemplo da parceria com o Clube Náutico da Praia de Mira

Metodologias

1. Enquadramento e documentos de referência. Protocolos (3 horas); 2. Equipamento, manutenção, transporte - Regras de segurança. Aplicações práticas, Plano de Segurança. Aplicação na água (8 horas); 3. Como elaborar um Projeto de Remo e/ou atividades náuticas em contexto escolar (3 horas); 4. Experimentação de barcos de remo, pranchas de paddle, canoas. Noções de remo indoor e material de apoio (8 horas).

Avaliação

1. Participação: 50% a. Participação - 10% b. Realização das Tarefas nas Sessões - 40% 2. Reflexão: 50% a. Realização, no final da Ação, de um Relatório final individual escrito Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais. Trabalhos práticos e reflexões efetuadas, a partir das e nas sessões presenciais e online, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados na escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores – Excelente.

Bibliografia

DGE| Regulamentos Específico das modalidadesFISA Rule Book

Anexo(s)


Observações

Esta Ação destina-se apenas aos Professores dos Grupos 260 e 620

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 20-04-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 20-04-2024 (Sábado) 14:00 - 18:00 4:00 Presencial
3 04-05-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
4 04-05-2024 (Sábado) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial
5 17-05-2024 (Sexta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
6 18-05-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
7 18-05-2024 (Sábado) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial

Ref. 2481 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-182324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 19-04-2024

Fim: 19-04-2024

Regime: Presencial

Local: Auditório MiraCenter, Mira

Formador

Paula Cristina da Cruz Castelhano

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

O Primeiro socorro carateriza-se pelo tratamento inicial e temporário efetuado a acidentados e/ou vítimas de doença súbita. Pretende-se, com ele, preservar a vida, minorar a incapacidade e reduzir o sofrimento. De acordo com o contexto, pode necessitar de cuidados como proteção de feridas, imobilização de fraturas, controlo de hemorragias externas, desobstrução das vias respiratórias e/ou realização de manobras de Suporte Básico de Vida. Qualquer pessoa pode e deve ter formação em primeiros socorros, para que proporcione a ajuda adequada e atempada. Contudo, estes cuidados não devem substituir, nem atrasar a ativação dos serviços de emergência médica (Reis, 2010). O programa nacional de saúde escolar, 2015 defende a promoção de estilos de vida saudável e aumento de nível de literacia para a saúde da comunidade educativa; a contribuição para a melhoria da qualidade do ambiente escolar e para a minimização dos riscos para a saúde, bem como a promoção da saúde, prevenção da doença na comunidade educativa e redução do impacto dos problemas de saúde no desempenho escolar dos estudantes (Direção Geral da Saúde, 2015). A escola é o local onde crianças, pessoal docente e não docente passam grande parte do seu dia. As crianças, pela sua natureza e imaturidade são ainda mais suscetíveis à ocorrência de acidentes. Assim sendo, faz todo o sentido investir na formação de todos, mas, especialmente, na dos adultos que as rodeiam. Neste sentido a Unidade de Saúde Publica (USP), a Unidade de Recursos Assistenciais Partilhados (URAP), a Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP) do Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) Baixo Mondego (BM), unem-se aos Bombeiros Voluntários de Mira (BVM) ao Agrupamento de Escolas de Mira (AEM) e à Câmara Municipal (CM) de Mira para dar resposta a este projeto.

Objetivos

- Promover a adequada prestação de cuidados de primeiros socorros nas escolas; - Aumentar a literacia em cuidados de 1ºs socorros ao pessoal docente e não docente; - Instruir sobre resposta adequada em variadas situações de primeiros socorros, salientando a importância do pedido de ajuda precoce, o alerta e a assertividade na prestação do socorro à vítima; - Capacitar pessoal docente e não docente para a prestação de primeiros socorros adequados; - Assegurar um kit atualizado em cada um dos estabelecimentos de ensino do AEM.

Conteúdos

1. A importância do pedido de ajuda precoce, o alerta e a assertividade na prestação do socorro à vítima; 2. Atitudes e comportamentos adequados em situação de acidente escolar; 3. O socorro básico.

Anexo(s)

AFCD 248


Observações

Pessoal Docente

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 19-04-2024 (Sexta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 2491 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-192324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 19-04-2024

Fim: 19-04-2024

Regime: Presencial

Local: Auditório MiraCenter, Mira

Formador

Paula Cristina da Cruz Castelhano

Destinatários

Pessoal Não Docente

Certificado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

O Primeiro socorro carateriza-se pelo tratamento inicial e temporário efetuado a acidentados e/ou vítimas de doença súbita. Pretende-se, com ele, preservar a vida, minorar a incapacidade e reduzir o sofrimento. De acordo com o contexto, pode necessitar de cuidados como proteção de feridas, imobilização de fraturas, controlo de hemorragias externas, desobstrução das vias respiratórias e/ou realização de manobras de Suporte Básico de Vida. Qualquer pessoa pode e deve ter formação em primeiros socorros, para que proporcione a ajuda adequada e atempada. Contudo, estes cuidados não devem substituir, nem atrasar a ativação dos serviços de emergência médica (Reis, 2010). O programa nacional de saúde escolar, 2015 defende a promoção de estilos de vida saudável e aumento de nível de literacia para a saúde da comunidade educativa; a contribuição para a melhoria da qualidade do ambiente escolar e para a minimização dos riscos para a saúde, bem como a promoção da saúde, prevenção da doença na comunidade educativa e redução do impacto dos problemas de saúde no desempenho escolar dos estudantes (Direção Geral da Saúde, 2015). A escola é o local onde crianças, pessoal docente e não docente passam grande parte do seu dia. As crianças, pela sua natureza e imaturidade são ainda mais suscetíveis à ocorrência de acidentes. Assim sendo, faz todo o sentido investir na formação de todos, mas, especialmente, na dos adultos que as rodeiam. Neste sentido a Unidade de Saúde Publica (USP), a Unidade de Recursos Assistenciais Partilhados (URAP), a Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP) do Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) Baixo Mondego (BM), unem-se aos Bombeiros Voluntários de Mira (BVM) ao Agrupamento de Escolas de Mira (AEM) e à Câmara Municipal (CM) de Mira para dar resposta a este projeto.

Objetivos

- Promover a adequada prestação de cuidados de primeiros socorros nas escolas; - Aumentar a literacia em cuidados de 1ºs socorros ao pessoal docente e não docente; - Instruir sobre resposta adequada em variadas situações de primeiros socorros, salientando a importância do pedido de ajuda precoce, o alerta e a assertividade na prestação do socorro à vítima; - Capacitar pessoal docente e não docente para a prestação de primeiros socorros adequados; - Assegurar um kit atualizado em cada um dos estabelecimentos de ensino do AEM.

Conteúdos

1. A importância do pedido de ajuda precoce, o alerta e a assertividade na prestação do socorro à vítima; 2. Atitudes e comportamentos adequados em situação de acidente escolar; 3. O socorro básico.

Anexo(s)

AFCD 249


Observações

Pessoal Não Docente

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 19-04-2024 (Sexta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 2312 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-120754/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 19-04-2024

Fim: 03-05-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Ana Isabel da Silva Baila Madeira Antunes

Destinatários

410

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de 410. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de 410.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Associação de Professores de Filosofia

Enquadramento

O sistema educativo pode e deve formar pessoas com pensamento crítico, solidário, responsável e criativo, capazes de fundamentar posições, tomar decisões, no seu agir quotidiano, cultural e artístico. Desde os gregos que sabemos que não há filosofia sem política, nem política sem filosofia. Hoje, vivemos num estado democrático, onde filosofia e política se cruzam no nosso dia-a-dia, há então que formar os nossos alunos para esta realidade prática diária em que vivem e agem, de modo que esta não seja rotineira, mas esclarecida e participada. Com esta formação pretende-se mostrar de que modo as Aprendizagens Essenciais do décimo e décimo primeiro anos da disciplina de Filosofia contribuem para tal, uma vez que o conceito de educação para e na cidadania atravessa transversalmente os seus conhecimentos, capacidades e atitudes e promove as competências previstas no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória.

Objetivos

1. Analisar os documentos legais nacionais e internacionais que enquadram e fundamentam a Educação para a Cidadania. 2. Discutir/identificar competências essenciais de formação cidad㠖 competências para uma Cultura da Democracia. 3. Articular os domínios e princípios da Educação para a cidadania com os valores e áreas de competências do Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória 4. Refletir sobre os domínios de Cidadania – articulação e cruzamentos interdisciplinares. 5. Mostrar a transversalidade dos domínios de Cidadania e Desenvolvimento das Aprendizagens Essenciais de Filosofia. 6. Construir diferentes metodologias e práticas de operacionalização das aprendizagens em Cidadania e Desenvolvimento, ao nível da disciplina de Filosofia, Projeto Interdisciplinar de Turma e intervenção na comunidade. 7. Mostrar a indissociabilidade entre avaliação para as aprendizagens e a formação para e na cidadania.

Conteúdos

1 - Conceito de Educação para e na Cidadania. 2 - A Escola e a Educação para e na Cidadania: enquadramento legal. 3 - A Escola e a Educação para e na Cidadania: Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória. 4 - Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania: pressupostos, aprendizagens esperadas e domínios a abordar. 5 - Transversalidade da Educação para e na Cidadania e Cidadania e Desenvolvimento nas Aprendizagens Essenciais da disciplina de Filosofia. 6 - Fundamentação dos métodos e práticas pedagógicas a implementar na componente de Cidadania e Desenvolvimento. 7- Cidadania e Desenvolvimento/Filosofia – domínios de autonomia curricular e projeto interdisciplinar de turma – apresentação de alguns exemplos. 8 - Indissociabilidade da avaliação para as aprendizagens e a componente de Cidadania e Aprendizagem: diversificação de instrumentos de recolha de informação.

Metodologias

Sessões síncronas através da plataforma Zoom – 17h - Exposição teórica por parte da formadora: enquadramento legal, esclarecimento de conceitos e apresentação de ações estratégicas de acordo com a Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e as Aprendizagens Essenciais da disciplina de Filosofia de 10º e 11º anos. - Ações estratégicas de leitura, análise e reflexão de documentos em diferentes suportes multimodais. - Trabalho individual e em grupo de construção de planificações, materiais didáticos e/ou outros instrumentos de suporte à aprendizagem. - Discussão/reflexão sobre as temáticas do curso de formação em grande grupo. Trabalho autónomo assíncrono – 8h - Conceção de uma planificação de um módulo das Aprendizagens Essenciais de Filosofia e respetivos recursos didáticos que serão apresentados e discutidos nas sessões síncronas. - As plataformas Moodle e Zoom constituem dois dos elementos nucleares para a partilha de informações (textos, vídeos), avaliações (tarefas e reflexão final) e para a formação em geral.

Avaliação

1. Participação: 50% a. Participação - 10% b. Realização das Tarefas nas Sessões - 40% 2. Reflexão: 50% a. Realização de uma Reflexão críticas individual efetuada a partir das sessões e da exploração da bibliografia se suporte, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais. Trabalhos práticos e reflexões efetuadas, a partir das e nas sessões presenciais e online, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados na escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores – Excelente.

Bibliografia

IZUZQUIZA, Ignacio. La Clases de Filosofía como Simulación de la Actividad Filosófica. Madrid: Ediciones Anaya, 1982.PERRENOUD, Philippe. A Escola e a Aprendizagem da Democracia. Porto: Asa, 2002.SAVATER, Fernando. As Perguntas da Vida. Porto: Dom Quixote, 1999.TOZZI, Michel, et al.. Apprendre à Philosopher dans les Lycées D´Aujourd´hui. Paris: Hachette Education, 1992.VICENTE, Joaquim Neves. “Subsídios para uma Didática Comunicacional no Ensino-Aprendizagem da Filosofia” In Revista Filosófica de Coimbra, n.º 2, 1992.


Observações

Esta Ação de formação pressupõe pagamento, após confirmação da APFilosofia - mais informação em apfilosofia.org

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 19-04-2024 (Sexta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
2 20-04-2024 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
3 26-04-2024 (Sexta-feira) 18:00 - 20:30 2:30 Online síncrona
4 27-04-2024 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
5 03-05-2024 (Sexta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Online síncrona

Ref. 2741 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-412324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 17-04-2024

Fim: 17-04-2024

Regime: Presencial

Local: Escola-sede do Agrupamento de Escolas Gândara Mar, Tocha

Formador

Dina Maria de Oliveira Soares

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

Sabendo que a exposição ao ruído tem inúmeras consequências, quer sobre o aparelho auditivo quer sobre outros aspetos da saúde do ser humano, podendo provocar diversos problemas tais como a perda de audição e surdez, stress, perturbações do sono, dificuldades de concentração e aprendizagem e até aumento da pressão arterial, pretende-se dar a conhecer, de forma breve, o aparelho auditivo e analisar com os formandos algumas das implicações da exposição ao ruído, na sua saúde e bem-estar. Por outro lado, a poluição sonora, para além de ser um problema ambiental, é um fator de interferência na comunicação, esta, essencial no ambiente escolar. Uma das ferramentas de excelência para a comunicação verbal que necessariamente se estabelece no meio escolar, é a voz. A nossa voz espelha o nosso estado psicológico e físico. Para os professores, a voz é o seu principal instrumento de trabalho, pois com ela são transmitidos os conhecimentos. A par da audição, estas duas ferramentas constituem grande importância no processo ensino-aprendizagem. Quando utilizamos a voz de forma inadequada, podemos ter graves sequelas a nível de saúde, com evidentes danos na qualidade do trabalho desenvolvido. Pretende-se abordar o aparelho vocal, de forma breve, e ajudar a compreender a importância da promoção de bons hábitos vocais, como forma de prevenção de problemas graves e interferências na comunicação.

Objetivos

- Atualizar / aprofundar conhecimentos acerca do som, ruído, poluição sonora, aparelho auditivo, voz, aparelho vocal, importância da preservação da audição e da voz; - Realizar atividades práticas, desenvolvidas de forma integrada; - Encontrar respostas para a sua futura atuação como profissional de uma escola, com base numa reflexão sobre a sua aprendizagem acerca da preservação dos aparelhos auditivo e vocal.

Conteúdos

• O Som • Como se ouve - aparelho auditivo • Lesões auditivas provocadas pela exposição ao ruído e consequente prejuízo no processo ensino/aprendizagem • A voz • O aparelho vocal • Lesões no aparelho fonador e consequente prejuízo no processo ensino/aprendizagem • Atividades práticas para exemplificação da preservação do aparelho vocal.

Anexo(s)

AFCD 274


Observações

Esta AFCD destina-se preferencialmente aos Professores do AE Gândara Mar, Tocha

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 17-04-2024 (Quarta-feira) 15:00 - 18:00 3:00 Presencial

Ref. 2271 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-052324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 4.0 horas

Início: 13-04-2024

Fim: 13-04-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Teresa Maria Morais

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e Associação de Professores de Filosofia

Enquadramento

As alterações profundas ocorridas nos últimos 50 anos no sistema de ensino em Portugal, nomeadamente na gestão curricular, não só constituem um case study na área da educação como, muito mais importante, traduziram-se num decréscimo da taxa de analfabetismo do povo português e na qualificação dos recursos humanos nacionais. Contudo, estará o ideário do 25 de abril relativo à educação a ser efetivamente cumprido? É a escola portuguesa uma escola democrática? Há nas escolas portuguesas uma tensão entre epistemologia e democracia? Essa tensão tem necessariamente de existir? O seminário “Da epistemologia à democracia: 50 anos de abril de 74”, promovido pela Apf, pretende: 1. criar uma oportunidade de reflexão crítica e discussão conjunta entre especialistas (Universidades do Minho e do Porto), representantes da tutela (DGE e IAVE, I. P.) e participantes acerca das representações de professores e alunos sobre o que é um bom aluno e a relação dessas representações com as trajetórias no ensino superior e no mundo do trabalho; 2. propiciar a divulgação de práticas de cidadania realizadas em estabelecimentos de ensino em Portugal, mediante apresentação de projetos implementados em diferentes contextos educativos e destinados a alunos de diferentes níveis de escolaridade, que comungam de finalidades concentradas na oferta de experiências de cidadania ativa e responsável e práticas inclusivas, para se pensar sobre o papel de componentes do currículo centradas em capacidades e disposições presentes no compromisso social e no exercício da cidadania. Assim, a presente atividade enseja poder contribuir para a reflexão sobre o papel da escolaridade obrigatória.

Objetivos

● Debater a possível existência de uma tensão entre epistemologia e democracia nas escolas portuguesas e respetivas implicações na profissionalidade docente e no desenvolvimento dos alunos. ● Refletir sobre as possíveis implicações de um ideal de aluno e as trajetórias de inclusão no ensino superior e no acesso ao mundo do trabalho. ● Discutir, a partir da difusão de práticas de cidadania ativa implementadas em escolas do território nacional, a (in)compatibilidade entre o conhecer, o saber e o agir.

Conteúdos

Da epistemologia à democracia: tensões e intenções Da epistemologia à democracia: práticas de cidadania nas escolas

Anexo(s)

AFCD 227


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 13-04-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona

Ref. 1344 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115477/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 02-03-2024

Fim: 23-03-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Artur Emanuel Ilharco Galvão

Destinatários

Professores dos Grupos 300, 400 e 410

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 300, 400 e 410. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 300, 400 e 410.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas Beira Mar e Associação de Professores de Filosofia

Enquadramento

O humor e o riso são atributos universais ao ser humano e a todas as suas sociedades. Contudo, durante muito tempo o humor não foi visto, nem pensado, como sendo filosoficamente importante. O humor e o riso, pode mesmo afirmar-se, foram por vezes considerados como perigosos, pois, por exemplo, fazem com que as emoções se sobreponham ao autocontrole racional, ou contêm em si algo de malicioso (visto a comédia ser uma forma de desprezo do outro) ou, ainda, tendem a violar as regras (sejam elas as da conversação, do bom gosto e até da ética). Esta má reputação encontra uma clara expressão na personagem de Jorge de Burgos em O Nome da Rosa, quando afirma: “O riso é um vento demoníaco que deforma os contornos do rosto e faz os homens parecerem macacos”. A presente ação visa fornecer uma abordagem ampla do humor e da sua aplicabilidade no contexto da sala de aula, salientando a sua importância e pertinência atual, bem como apresentando alguns dos seus limites e perigos. Tratando-se de um tema transversal contribui para o desenvolvimento dos descritores dos domínios A, D, E, F, G, H e J, do Perfil dos alunos, podendo contribuir para a descoberta da complexidade e das subtilezas da vida e do pensamento, levando os alunos a desenvolverem capacidades de escuta, reflexão e pensamento criativo.

Objetivos

1. Compreender a natureza do humor e a sua aplicabilidade na sala de aula 2. Analisar as principais teorias do humor: superioridade, incongruência, alívio, jogo e disposicional 3. Explorar as potencialidades e limitações pedagógicas do humor na sala de aula 4. Refletir sobre a axiologia do humor 5. Desenvolver abordagens pedagógicas e dispositivos didáticos sobre o tema e que possam vir a ser partilhados como recursos educativos abertos

Conteúdos

1. A Seriedade do Humor 1.1. A má reputação do humor 1.2. Humor, verdade, virtude e a existência humana 2. A Natureza do Humor 2.1. Teoria da superioridade 2.2. Teoria da incongruência 2.3. Teoria do alívio 2.4. Teoria do jogo 2.5. Teoria disposicional 3. Humor na Sala de Aula 3.1. O conflito entre humor e educação 3.2. O problema do desinteresse e o humor como solução 3.3. Implicações pedagógicas: Os casos da exemplificação e do estilo-livre 3.4. Objeções e respostas 3.5. O pythonismo pragmático 4. Humor e Valor 4.1. Homo Sapiens e Homo Ridens 4.2. A sabedoria cómica 4.3. Humor e estética 4.4. Humor e ética 5. Humor e Auto-Transcedência

Metodologias

- As sessões serão de cariz teórico-prático. Nesse sentido, serão desenvolvidas atividades de leitura, análise e avaliação de textos e de construção de planificações, de materiais didáticos e de instrumentos de análise. - Os métodos usados serão o diálogo vertical e horizontal, o trabalho de grupo e o trabalho de pesquisa. Serão usados recursos como apresentações e textos. - Os conteúdos teórico-práticos serão explorados e discutidos nas sessões síncronas, a realizar na plataforma Zoom. - A componente prática, a realizar nas sessões síncronas na plataforma Zoom e no trabalho assíncrono / autónomo consiste na conceção de planificação de atividades e de recursos de aula que serão apresentados e discutidos nas sessões síncronas. - As plataformas Moodle e Zoom constituem dois dos elementos nucleares para a partilha de informações (textos, vídeos), avaliações (tarefas e reflexão final) e para a formação em geral.

Avaliação

A avaliação consistirá num trabalho final que incluirá uma proposta completa de lecionação de um dos subtemas, a qual deve incluir os recursos a utilizar, acompanhados de uma adequada justificação didática e filosófica e que será discutido na última sessão síncrona. A avaliação terá ainda em conta a qualidade dos contributos de cada formando nos debates presenciais e na realização das tarefas das sessões assíncronas. • Assiduidade e participação nas sessões - 20% • Realização de tarefas – 30% • Reflexão fundamentada – 50% • Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais. • Trabalhos práticos e reflexões críticas efetuadas, a partir das e nas sessões presenciais, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados na escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – Setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores - Excelente.

Bibliografia

- Critchley, S. – On Humour. London: Routledge, 2002. - Mordechai, G. – Humor, Laughter and Human Flourishing: A Philosophical Exploration of the Laughing Animal. Hidelberg: Springr, 2014. - Morreall , J. (Ed.) – The Phillosophy of Laughter and Humor. Albany: SUNY, 1987. - Morreall, J. – Comic Relief: A Compreensive Philosophy of Humor. Malden: Wiley-Blackwell, 2009. - Morrison, M. K. – Using Humor to Maximize Learning. Lanham: Rowan & Littlefield Education, 2008.

Anexo(s)


Observações

Esta Ação de formação pressupõe pagamento, após confirmação da APFilosofia - mais informação em apfilosofia.org

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 02-03-2024 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
2 09-03-2024 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
3 16-03-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 23-03-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona

Ref. 2671 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-352324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 28-02-2024

Fim: 28-02-2024

Regime: Presencial

Local: Escola-sede do Agrupamento de Escolas do Paião

Formador

Helder José Carvalheiro Ramalho

Rosa Maria Veiga de Almeida

Destinatários

Professores dos Grupos de docência 110 e 910 do AE Paião

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

O Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória preconiza, por exemplo, que os alunos deverão estar no centro dos processos pedagógicos. Desta forma, importa promover uma reflexão sobre a utilização de RED e de materiais manipuláveis como estratégias de aprendizagem, tendo em consideração que poderão constituir ferramentas que permitem um maior envolvimento e uma participação ativa dos alunos, contribuindo, assim, para uma melhoria das suas aprendizagens e do seu sucesso escolar.

Objetivos

Promover a exploração de situações didáticas para o ensino das Ciências de base experimental no 1.º CEB. Promover o uso de recursos RED que favoreçam a compreensão de conhecimentos matemáticos e a conexão entre diferentes representações matemáticas. Dinamizar atividades de caráter experimental no âmbito das Ciências Experimentais e da Matemática, contempladas nas Aprendizagens Essenciais de Estudo do Meio e de Matemática do 1.º ciclo, conjugadas com Recursos Educativos Digitais e materiais manipuláveis.

Conteúdos

Ciências Experimentais 4.º ano . Orientação pelo Sol . Circuitos elétricos 3.º ano . Movimentos de rotação e translação da Terra/sucessão do dia e da noite e existência de estações do ano. . Comportamento da luz . Alavancas e roldanas Matemática 2.º ano . Relações entre frações . Área . Dinheiro

Anexo(s)

AFCD 267


Observações

Esta AFCD destina-se apenas aos Professores dos Grupos de docência 110 e 910 do AE Paião

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 28-02-2024 (Quarta-feira) 17:30 - 20:30 3:00 Presencial

Ref. 2471 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-172324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 24-01-2024

Fim: 24-01-2024

Regime: Presencial

Local: Auditório Atrium Mira, Mira

Formador

Paula Cristina da Cruz Castelhano

Destinatários

Pessoal Não Docente

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

O Primeiro socorro carateriza-se pelo tratamento inicial e temporário efetuado a acidentados e/ou vítimas de doença súbita. Pretende-se, com ele, preservar a vida, minorar a incapacidade e reduzir o sofrimento. De acordo com o contexto, pode necessitar de cuidados como proteção de feridas, imobilização de fraturas, controlo de hemorragias externas, desobstrução das vias respiratórias e/ou realização de manobras de Suporte Básico de Vida. Qualquer pessoa pode e deve ter formação em primeiros socorros, para que proporcione a ajuda adequada e atempada. Contudo, estes cuidados não devem substituir, nem atrasar a ativação dos serviços de emergência médica (Reis, 2010). O programa nacional de saúde escolar, 2015 defende a promoção de estilos de vida saudável e aumento de nível de literacia para a saúde da comunidade educativa; a contribuição para a melhoria da qualidade do ambiente escolar e para a minimização dos riscos para a saúde, bem como a promoção da saúde, prevenção da doença na comunidade educativa e redução do impacto dos problemas de saúde no desempenho escolar dos estudantes (Direção Geral da Saúde, 2015). A escola é o local onde crianças, pessoal docente e não docente passam grande parte do seu dia. As crianças, pela sua natureza e imaturidade são ainda mais suscetíveis à ocorrência de acidentes. Assim sendo, faz todo o sentido investir na formação de todos, mas, especialmente, na dos adultos que as rodeiam. Neste sentido a Unidade de Saúde Publica (USP), a Unidade de Recursos Assistenciais Partilhados (URAP), a Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP) do Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) Baixo Mondego (BM), unem-se aos Bombeiros Voluntários de Mira (BVM) ao Agrupamento de Escolas de Mira (AEM) e à Câmara Municipal (CM) de Mira para dar resposta a este projeto.

Objetivos

- Instruir sobre resposta adequada em variadas situações de primeiros socorros, salientando a importância do pedido de ajuda precoce, o alerta e a assertividade na prestação do socorro à vítima; - Capacitar pessoal docente e não docente para a prestação de primeiros socorros adequados, incluindo o Suporte Básico de Vida (SBV); - Assegurar um kit atualizado em cada um dos estabelecimentos de ensino do AEM.

Conteúdos

1. A importância do pedido de ajuda precoce, o alerta e a assertividade na prestação do socorro à vítima; 2. A prática do Algoritmo de Suporte Básico de Vida; 3. Atitudes e comportamentos adequados em situação de acidente escolar; 4. O socorro básico e para o SBV.

Anexo(s)

AFCD 247


Observações

Pessoal Não Docente

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 24-01-2024 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial

Ref. 1322 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-111780/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 13-01-2024

Fim: 03-02-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Artur Emanuel Ilharco Galvão

Destinatários

Professores dos Grupos 410, 510 e 520

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 410, 510 e 520. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 410, 510 e 520.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Enquadramento

Os esforços para classificar o conhecimento são antigos. Aristóteles procurou ordenar as várias esferas da cultura em função da natureza do seu objeto e método, identificando três ciências: a teórica, a prática e a poiética, sendo claro que a ciência (silogistica) não poderia responder a todas as questões humanas e que outras áreas tinham de lidar com a dimensão mais contingente da vida. Distingui-las era fundamental para cada uma desempenhar adequadamente o seu papel. Contemporaneamente, as tentativas de encontrar critérios de classificação do conhecimento mantém toda a sua pertinência, pois os ataques às áreas tradicionais, nomeadamente à ciência (teorias da conspiração e movimentos anti-intelectuais) têm diluído distinções, gerado confusão e questionado o valor de todo o empreendimento epistémico e mesmo colocar em risco vidas humanas (p.e., a charlatanice inerente a tratamentos médicos alternativos ou a pseudociência em torno da COVID-19). A presente ação visa fornecer uma abordagem ampla do problema da demarcação, salientando a sua importância e pertinência atual, bem como apresentando alguns dos seus principais defensores e detratores. Tratando-se de um tema central no programa de Filosofia do 11º (Secção do Módulo IV – “Estatuto do Conhecimento Científico”) e das Aprendizagens Essenciais (visando desenvolver os descritores A, C, D, E, F, I), poderá contribuir fortemente para uma reflexão crítica dos alunos, levando-os a compreender o modo como o genuíno conhecimento se distingue do conhecimento ilusório e para evitar as armadilhas do sincretismo, que visam colocar todas as áreas de pensamento culturais ao mesmo nível (ciência, paraciência e pseudociência).

Objetivos

1. Compreender a natureza e a importância do problema da demarcação 2. Analisar alguns dos critérios de demarcação propostos pela Filosofia da Ciência 3. Explorar as limitações dos vários critérios de demarcação 4. Conhecer os críticos do problema da demarcação 5. Desenvolver abordagens pedagógicas e dispositivos didáticos sobre o tema e que possam vir a ser partilhados como recursos educativos abertos

Conteúdos

Os conteúdos desta ação 1. Introdução Panorâmica 1.1. A necessidade de classificar o conhecimento 1.2. Problemas do problema da demarcação: 1.2.1. Valor e legitimidade 1.2.2. Se tem valor, onde distinguir? Ciência, não-ciência, paraciência e pseudociência 1.2.3. Se tem valor, como distinguir? Há um critério? 1.2.4. Se não tem valor? Tudo é conhecimento? 2. Critérios de Demarcação 2.1. Antiguidade (Aristóteles) 2.1.1. Objeto da demarcação 2.1.2. Critério da demonstração lógica 2.1.3. Problema do critério da demonstração lógica 2.2. Positivismo Lógico (A. J. Ayer) 2.2.1. Objeto da demarcação 2.2.2. Critério da verificabilidade 2.2.3. Problemas com a verificabilidade 2.3. Falsificacionismo (K. Popper, I. Lakatos) 2.3.1. Objeto da demarcação 2.3.2. Critério de falsificabilidade lógico 2.3.3. Critério de falsificabilidade sofisticado 2.3.4. Problemas da falsificabilidade 2.4. Historicismo (T. Kuhn) 2.4.1. Objeto de demarcação 2.4.2. Critério da resolução de quebra-cabeças 2.4.3. Problemas da resolução de quebra-cabeças 2.5. Sociologia (R. Merton) 2.5.1. Objeto de demarcação 2.5.2. O ‘ethos’ como critério 2.5.3. Problemas do ‘ethos’ 2.6. Abordagem dos Critério Múltiplos (M. Mahner) 2.6.1. Objeto de demarcação 2.6.2. Critérios múltiplos 2.6.3. Problemas dos critérios múltiplos 3. A ‘Morte’ da Demarcação 3.1. A retórica vazia da demarcação (L. Laudan) 3.2. Vale tudo? (P. Feyerabend) 4. A Filosofia da Pseudociência: A Demarcação Reconsiderada

Metodologias

- As sessões serão de cariz teórico-prático. Nesse sentido, serão desenvolvidas atividades de leitura, análise e avaliação de textos e de construção de planificações, de materiais didáticos e de instrumentos de análise. - Os métodos usados serão o diálogo vertical e horizontal, o trabalho de grupo e o trabalho de pesquisa. Serão usados recursos como apresentações e textos. - Os conteúdos teórico-práticos serão explorados e discutidos nas sessões síncronas, a realizar na plataforma Zoom. - A componente prática, a realizar nas sessões síncronas na plataforma Zoom e no trabalho assíncrono / autónomo consiste na conceção de planificação de atividades e de recursos de aula que serão apresentados e discutidos nas sessões síncronas. - As plataformas Moodle e Zoom constituem dois dos elementos nucleares para a partilha de informações (textos, vídeos), avaliações (tarefas e reflexão final) e para a formação em geral.

Avaliação

• Assiduidade e participação nas sessões - 20% • Realização de tarefas – 30% • Reflexão fundamentada, com elaboração de recursos didáticos – 50% • Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais. • Trabalhos práticos e reflexões críticas efetuadas, a partir das e nas sessões presenciais, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados na escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – Setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores - Excelente.

Bibliografia

MacIntyre, L. – The Scientific Attitude: Defending Science from Denial, Fraud and Pseudoscience. Cambridge: MIT, 2019. Mahner, M. – “Demarcating Science from Non-Science”. In: Kuipers, T. (Ed.) – General Philosophy of Science: Focal Issues. Amsterdam: ELSEVIER, 2007, p. 515-575. Pigniucci, M. – Nonsense on Stilts: How to Tell Science from Bunk. Chicago: The University of Chicago Press, 2010. Pigniucci, M.; Boudry, M (Ed.) – Philosophy of Pseudocience: Reconsidering the Demarcation Problem. Chicago: The University of Chicago Press, 2013. Regal, B. – Pseudoscience: A Critical Encyclopedia. Santa Barbara: ABC CLIO, 2009.


Observações

Esta Ação de formação pressupõe pagamento, após confirmação da APFilosofia - mais informação em apfilosofia.org

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 13-01-2024 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
2 20-01-2024 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
3 27-01-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 03-02-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona

Ref. 1912 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-262223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 10-01-2024

Fim: 10-01-2024

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Fernanda Paula Fernandes dos Reis Pinheiro

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

Esta ação de formação de curta duração insere-se no âmbito do processo de avaliação externa de professores, com vista à melhoria da organização do processo e ao combate de possíveis desigualdades de atuação.

Objetivos

• Contribuir para a consolidação do conhecimento da legislação e sua articulação; • Contribuir para a valorização e utilização das práticas de supervisão como “modus operantis”; • Refletir sobre a avaliação; • Proporcionar aos professores informação que lhes permitam organizar as suas metodologias de trabalho de forma coordenada.

Conteúdos

• Noções a ter em conta sobre avaliação docente; • Os normativos legais sobre AEDD, sua articulação e reflexão sobre os mesmos; • Os documentos do processo; • Os procedimentos a seguir.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 08-01-2024 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona

Ref. 1871 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-119327/23

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 40.0 horas (20.0 horas presenciais + 20.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 16-11-2023

Fim: 16-03-2024

Regime: Presencial

Local: Campus UC Figueira da Foz

Formador

Zara Fani Gonçalves Teixeira

Cláudia Sofia Pombo da Fonseca Moreira

Destinatários

Professores dos Grupos 230, 420, 510 e 520

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 230, 420, 510 e 520. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 230, 420, 510 e 520.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e SERMARE, Universidade de Coimbra

Enquadramento

Em 2021, no estudo “Aprender pelo nosso planeta”, a UNESCO analisou os programas e currículos escolares de 50 países e chegou à conclusão deque em metade não havia qualquer referência às mudanças do clima, e apenas 19% se debruçavam sobre a perda de biodiversidade. Em 2022, amesma instituição anunciou o objetivo de incluir a educação para o Oceano nos currículos escolares em todos os seus estados-membros até 2025.Em Portugal, nos últimos anos, têm surgido várias iniciativas para melhorar a Literacia da comunidade escolar mas, para que a temática seja umaconstante nos currículos escolares e para que os docentes se sintam à vontade para leccionar sobre a mesma, há ainda um longo caminho apercorrer. Com esta oficina de formação pretende-se que os docentes se sintam motivados e confiantes no ensino de diferentes temáticas associadas aoOceano, desde o seu estado atual, passando pela monitorização, as causas e consequências para a degradação da qualidade ambiental e as novasoportunidades. A oficina decorrerá no contexto das metas do desenvolvimento sustentável.

Objetivos

Com esta oficina os formandos irão • Atualizar os seus conhecimentos sobre a temática do Oceano, tendo por base as políticas mais atuais e a investigação recente na área; • Adquirir conhecimentos como base para o desenvolvimento de novos conteúdos de ensino; • Planear aulas simultaneamente em linha com os programas curriculares e com a Estratégia Nacional para o Mar; • Planear atividades que privilegiem uma aprendizagem exploratória e de carácter interdisciplinar.

Conteúdos

I. Conhecer e preservar para a Sustentabilidade do meio aquático (4 horas) serão abordados os contributos da classe política e da comunidade académica para o conhecimento do estado dos ecossistemas aquáticos e para asua preservação. O módulo incluirá uma atividade prática realizada em sala de aula, que os formandos poderão adaptar para diferentes ciclos deensino e em diferentes contextos e disciplinas. II. Vigiar a qualidade ambiental do meio aquático: como e para quê? (3 horas) será apresentada a importância da Monitorização Ambiental para a proteção do meio aquático, acompanhada de exemplos de metodologias demonitorização em diferentes ecossistemas aquáticos. O módulo incluirá uma atividade de campo, com metodologias simplificadas para que possamser reproduzidas em contexto escolar. III. Impactos no Oceano e o caso particular das Alterações Climáticas (3 horas) serão abordadas as pressões e impactos nos ecossistemas aquáticos, com destaque para as causas e consequências das Alterações Climáticas. Omódulo incluirá uma atividade prática realizada em sala de aula, que os formandos poderão adaptar para diferentes ciclos de ensino e em diferentescontextos e disciplinas. IV. Valorizar os produtos do mar como meio para a sustentabilidade (3 horas) serão abordados os benefícios do Oceano para o ser humano e o potencial da valorização de “novos e velhos” recursos marinhos para garantir a suasustentabilidade. O módulo incluirá uma atividade prática que deverá servir de inspiração para o desenvolvimento de atividades diferenciadoras nasescolas. V. Cidadania para um Oceano mais saudável (3 horas) será abordada a importância do conhecimento para a tomada de decisões e da cidadania ativa na preservação do Oceano. VI. Reflexão sobre o trabalho desenvolvido (4 horas) os formandos partilharão com a turma a experiência e os resultados obtidos com o trabalho autónomo.

Metodologias

Sessões presenciais: A oficina decorre em regime presencial, num total de 20 horas presenciais + 20 horas de trabalhoautónomo. As sessões presenciais conjuntas consistem em sessões teóricas e de reflexão em grupo paraapresentação dos conceitos teóricos básicos; sessões teórico-práticas, em grande e pequeno grupo, deexploração e seleção de estratégias e instrumentos apropriados ao desenvolvimento dos conteúdos daformação e reflexão sobre a sua utilização em contexto de sala de aula; trabalho prático de planificaçãode atividades com aplicação dos pressupostos pedagógicos e mobilização dos conhecimentosadquiridos em formação. SUGESTÃO DE ORGANIZAÇÃO SESSÕES PRESENCIAIS 1ª Sessão (4 horas) Módulo I. Conhecer e preservar para a sustentabilidade do meio aquático 2ª Sessão (3 horas) Módulo II. Vigiar a qualidade ambiental do meio aquático: como e para quê? 3ª Sessão (3 horas) Módulo III. Impactos no Oceano e o caso particular das Alterações Climáticas 4ª Sessão (3 horas) Módulo IV. Valorizar os produtos do mar como meio para a sustentabilidade 5ª Sessão (3 horas) Módulo V. Cidadania para um Oceano mais saudável 6ª Sessão (4 horas) Módulo VI. Reflexão sobre o trabalho desenvolvido Trabalho autónomo: Os formandos deverão traduzir oconhecimento adquirido nos módulosanteriores para a sua prática de ensino,em sala de aula, com os seus alunos,durante a realização da Oficina.

Avaliação

• Obrigatoriedade de frequência mínima de 2/3 do tempo total da formação; • Trabalhos práticos e reflexões efetuadas, a partir das e nas sessões presenciais, de acordo com os critérios previamente estabelecidos,classificados nas escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – Setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores - Excelente. O sistema de avaliação dos formandos contempla uma avaliação contínua e uma avaliação no final do curso. • A avaliação contínua incide no desempenho e no interesse demonstrado pelo formando nos trabalhos desenvolvidos (auto-avaliação e avaliaçãopelo formador); • A avaliação no final do curso compreende uma sessão final de avaliação.

Modelo

a) pelos formandos: resposta a um inquérito elaborado para o efeito; b) pelos formadores: resposta a um inquérito elaborado para o efeito; c) pelo Centro de Formação: elaboração de um relatório global de avaliação com base nos instrumentos avaliativos utilizados por formandos e formador.

Bibliografia

ENM. Estratégia Nacional para o Mar 2021-2030. Governo de Portugal. https://www.portugal.gov.pt/pt/gc22/comunicacao/documento?i=estrategia-nacional-para-o-mar-2021-2030 Costa, R.L., Mata, B., Conceição, P., Silva, F. 2020. Literacia do Oceano: Dos Princípios à Década da Ciência do Oceano. Instituto Português deRelações Internacionais. Working Paper. https://ipri.unl.pt/images/publicacoes/working_paper/2020_WP/Working_Paper_IPRI-NOVA_62_2020.pdf Ocean Literacy: The Essential Principles and Fundamental Concepts of Ocean Sciences for Learners of All Ages. Version 3.1. 2021.https://static1.squarespace.com/static/5b4cecfde2ccd188cfed8026/t/6101cb7536e2ed6426ba15b6/1627507591681/OceanLiteracyGuide_V3_2020.pdf Tran, L.U., Payne, D.L., Whitley, L. 2010. Research on learning and teaching ocean and aquatic sciences. National Marine Educators AssociationSpecial Report #3. https://www.coexploration.org/oceanliteracy/NMEA_Report_3/NMEA_2010-6-Learning.pdf


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 16-11-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Presencial
2 17-11-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Presencial
3 18-11-2023 (Sábado) 10:00 - 13:00 3:00 Presencial
4 05-12-2023 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
5 06-12-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
6 07-12-2023 (Quinta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Presencial
7 16-03-2024 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial

Ref. 2363 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-072324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 25-10-2023

Fim: 23-11-2023

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Ilídio José de Almeida Simões

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

Uma boa utilização do programa de gestão escolar por parte dos professores é de capital importância, e assim poderem ter num simples clique toda a informação pertinente sobre: os seus alunos, as suas opções e escolhas, a gestão das suas faltas, a agenda de instrumentos de avaliação e outros eventos, os sumários, as avaliações e todo o seu currículo no fim de cada ano letivo e ciclo. Todos os anos há novos professores nas escolas, há escolas que iniciam a sua utilização. É neste contexto que se pretende dar a conhecer as ferramentas dos programas de gestão de alunos que facilitem e evidenciem o trabalho inerente à função docente, neste cado concreto, as do programa INOVAR ALUNOS.

Objetivos

• Aceder ao programa – efetuar a autenticação – configurar o Perfil. • Efetuar a receção de notificações – interpretar o Dashboard e o menu de ‘Ajuda’. • Explorar a organização dos menus. • Explorar os menus: Inicial – Sumários – Avaliações – Intercalares - Eventos – Comunicações. • Executar as ações de cada menu.

Conteúdos

• Acesso ao programa – autenticação - Perfil • Receção de notificações - Dashboard e menu de ‘Ajuda’ • Organização dos menus: • Menus: Inicial – Sumários – Avaliações – Intercalares - Eventos – Comunicações


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 25-10-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 17-11-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona


392

Ref. 1461.22 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116825/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 14-10-2023

Fim: 18-11-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz

Formador

Altina Marisa da Cruz Pereira Boliqueime

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores da Comissão Europeia (doravante DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 1) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se, assim, criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 1 (A1/A2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (B1/B2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes na utilização significativa de ambientes e ferramentas digitais e definição de estratégias diversificadas de integração destes em contexto educativo; - capacitar os docentes para a implementação de atividades promotoras da aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos.

Conteúdos

1. Documentos enquadradores das políticas educativas atuais associados ao Plano nacional de Transição Digital. 2. Envolvimento profissional: Exploração de opções digitais para colaboração e comunicação institucional e melhoria da prática profissional. 3. Recursos Digitais: Exploração, seleção e adequação de RED ao contexto de aprendizagem. Utilização de RED interativos. 4. Ensino e Aprendizagem: Exploração de estratégias de ensino e de aprendizagem digital. Integração significativa de RED na melhoria de atividades de ensino e aprendizagem. 5. Avaliação das aprendizagens: Exploração de estratégias de avaliação digital. Melhoria das abordagens de avaliação através de soluções digitais. 6. CD dos Alunos: Exploração de estratégias de promoção e uso pedagógico de tecnologias digitais. Utilização de ferramentas e estratégias para suporte ao desenho e implementação de atividades de promoção da CD dos alunos. 7. Planificação de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino.

Metodologias

As sessões presenciais/síncronas são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 14-10-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 18-10-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
3 28-10-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
4 07-11-2023 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
5 11-11-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
6 15-11-2023 (Quarta-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
7 18-11-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial


362

Ref. 2361 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-072324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 10-10-2023

Fim: 21-11-2023

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Ilídio José de Almeida Simões

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

Uma boa utilização do programa de gestão escolar por parte dos professores é de capital importância, e assim poderem ter num simples clique toda a informação pertinente sobre: os seus alunos, as suas opções e escolhas, a gestão das suas faltas, a agenda de instrumentos de avaliação e outros eventos, os sumários, as avaliações e todo o seu currículo no fim de cada ano letivo e ciclo. Todos os anos há novos professores nas escolas, há escolas que iniciam a sua utilização. É neste contexto que se pretende dar a conhecer as ferramentas dos programas de gestão de alunos que facilitem e evidenciem o trabalho inerente à função docente, neste cado concreto, as do programa INOVAR ALUNOS.

Objetivos

• Aceder ao programa – efetuar a autenticação – configurar o Perfil. • Efetuar a receção de notificações – interpretar o Dashboard e o menu de ‘Ajuda’. • Explorar a organização dos menus. • Explorar os menus: Inicial – Sumários – Avaliações – Intercalares - Eventos – Comunicações. • Executar as ações de cada menu.

Conteúdos

• Acesso ao programa – autenticação - Perfil • Receção de notificações - Dashboard e menu de ‘Ajuda’ • Organização dos menus: • Menus: Inicial – Sumários – Avaliações – Intercalares - Eventos – Comunicações


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 10-10-2023 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 21-11-2023 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona


354

Ref. 2371 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-082324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 04-10-2023

Fim: 18-10-2023

Regime: Presencial

Local: Atrium Mira - Auditório Municipal

Formador

Paula Cristina da Cruz Castelhano

Eliana Rute Conde Antunes

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

A escola, anteriormente entendida como transmissora de conhecimentos e habilidades culturalmente acumulados, tais como, ler, escrever, calcular e saberes sobre o mundo físico e social é, nos dias de hoje, concebida como promotora de uma educação mais abrangente, integrando quatro pilares que a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) reconhece - conhecer, ser, fazer e conviver (Prette & Prette, 2022). A escola é também o local que reúne caraterísticas ideais para a promoção da saúde mental, quer na prevenção, quer na intervenção dirigida a variáveis como o bem-estar (Simões et al., 2018). As intervenções em aprendizagem social e emocional, Social and Emocional Learning (SEL), ensinam competências de inteligência emocional e melhoram as atitudes das crianças e adolescentes face ao self, aos outros e à escola, promovem o desenvolvimento de comportamentos positivos em meio escolar, o aumento do rendimento académico, a redução de problemas de comportamento negativo e problemas emocionais, e a diminuição do uso de drogas nestas faixas etárias (Taylor at al., como referido por Ascenso, 2022; Corconan, Cheung, Kim & Xie como referido por Ferreira, 2020). Os docentes são cada vez mais reconhecidos como influenciadores das aprendizagens das crianças e jovens em domínios que vão para além da aprendizagem académica, tal como a aprendizagem socioemocional (Carvalho et al., 2019). Estes desempenham um papel fundamental na saúde mental dos seus alunos, assim como, na identificação precoce de sinais de sofrimento mental e na intervenção, através da prestação de ajuda ou encaminhamento dos alunos para a rede de suporte adequado (Maclean & Law, 2022). Por outro lado, aumentam a eficácia das intervenções em saúde mental em meio escolar, promovendo a sustentabilidade e resultados positivos a longo prazo das intervenções (McLaughlin et al., 2012). Não obstante, as crenças e motivações destes profissionais ou, eventualmente, atitudes negativas e estigma perante as doenças, podem revelar-se dificultadoras da identificação de sinais de sofrimento. Esta situação poderá estar associada ao sentimento de incapacidade face às necessidades das crianças e/ou à necessidade de formação na área da saúde mental (Maclean & Law, 2022). O projeto da Saúde Escolar da Unidade de Saúde Pública de Mira, desenvolve algumas intervenções psicoeducativas na escola, mas, é o docente quem passa mais horas junto da criança, modelando-a a cada momento, pelo que, é essencial que este reúna ferramentas que melhor se adequam à promoção da saúde mental da comunidade educativa. Promover o desenvolvimento socioemocional dos docentes influencia o seu trabalho com as crianças e jovens alterando o comportamento, a saúde e os resultados académicos destes. Os efeitos para todos incluem: maior envolvimento na escola e nas aprendizagens; desenvolvimento socioemocional; redução dos problemas emocionais e comportamentais; aumento da capacidade de resolução de problemas e resiliência; menor risco de alguns tipos de perturbações mentais; prevenção do risco de uso/abuso de drogas; menor risco de comportamento antissocial e criminal; a longo prazo, melhoria dos resultados socioeconómicos na vida adulta; aumento da saúde e do bem-estar, e sucesso na prevenção dos comportamentos de risco em qualquer área da educação para a saúde (Carvalho et al., 2019).

Objetivos

• Capacitar docentes e não docentes como promotores das aprendizagens socioemocionais; • Consciencializar acerca de fatores de proteção e de risco que impactam resultados a nível da saúde e da educação, e que influenciam as escolhas a nível pessoal e do grupo; • Incentivar uma metodologia de projeto conjunta, capacitando para a sua implementação em meio escolar; • Favorecer um ambiente escolar seguro, de suporte e protetor, e uma comunidade educativa confiante para discutir e solicitar apoio face às necessidades sentidas; • Habilitar docentes para, juntamente com a equipa de saúde escolar, serem recurso de suporte a escolhas, a nível pessoal e do grupo, e facilitadores de aprendizagens e de tomada de decisão potenciadoras de saúde; • Promover a saúde e o bem-estar mental, em toda a comunidade educativa; • Potenciar ganhos académicos.

Conteúdos

• Introdução às Aprendizagens Socioemocionais • Neurodesenvolvimento da criança • Estratégias de regulação emocional • Envolver as Aprendizagens Socioemocionais numa abordagem escolar global • Criar uma cultura profissional com base nas Aprendizagens Socioemocionais • Integrar as Aprendizagens Socioemocionais na sala de aula

Anexo(s)

AFCD 237


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 04-10-2023 (Quarta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 Presencial
2 18-10-2023 (Quarta-feira) 16:00 - 19:00 3:00 Presencial

Ref. 1527 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115724/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 19-09-2023

Fim: 22-11-2023

Regime: e-learning

Local: online

Formador

Fernanda Paula Fernandes dos Reis Pinheiro

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira. No âmbito do Despacho n.º 4840/2023, publicado a 21 de abril de 2023 a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas práticas inclusivas em sala de aula, bem como novas metodologias que promovam as aprendizagens de todos os alunos. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha desbravem o caminho e orientem todos os agentes educativos para as mudanças a realizar. Esta ação de formação procura contribuir para uma reflexão crítica sobre os desafios da diversidade, bem como apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas ajustadas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

Explorar os documentos legislativos (DL n.º 54/2018 e 55/2018, PASEO, Aprend. Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas pedagógicas mais inclusivas Consolidar o conhecimento sobre os modelos de enquadramento à operacionalização da educação inclusiva nas suas características essenciais Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos (Desenho Universal para a Aprendizagem) Aprofundar o conhecimento sobre metodologias e estratégias pedagógicas inclusivas e inovadoras Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar–Planear–Agir– Rever para a inclusão Promover a avaliação como parte integrante da gestão inclusiva do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens Reforçar competências de trabalho colaborativo, reflexivo e de resolução de problemas entre os profissionais

Conteúdos

Módulo 1 - Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração de documentos legislativos (DL n.º 54/2018, DL n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e Aprendizagens Essenciais) de apoio à prática letiva de forma integrada, destacando-se a reflexão e a análise de práticas sobre: o os valores e princípios de base humanista, onde o aluno assume a centralidade da ação; o a gestão inclusiva, integrada, flexível e articulada do currículo; o o recurso a modelos de intervenção e modelos pedagógicos de resposta à diversidade e de promoção de uma educação de qualidade para todos os alunos; o a valorização da avaliação como parte integrante da gestão do currículo e instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens; o a voz dos alunos e das suas famílias, aumentando os seus níveis de participação. Módulo 2 - Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos. • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (Desenho Universal para a Aprendizagem). Módulo 3 – Gerir a diversidade em sala de aula • Gestão da diversidade em sala de aula atendendo à participação e aprendizagem efetivas de todos os alunos – partilha de práticas. • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico, que conciliem as aprendizagens a desenvolver e as características de todos alunos. Módulo 4 – Avaliação como processo regulador do ensino e da aprendizagem • Caráter contínuo e sistemático da avaliação, ao serviço das aprendizagens, enquanto processo regulador do ensino e das aprendizagens. • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino. • O feedback como uma das dimensões indispensáveis à aplicação prática da avaliação formativa na sala de aula.

Metodologias

Nesta formação, em regime de frequência e-learning, serão abordados os conteúdos recorrendo a metodologias ativas de ensino e de aprendizagem. Será privilegiado o trabalho em pequeno e grande grupo com momentos de reflexão e de discussão restrita e alargada. Nas sessões, devem ser definidos tempos de partilha e de reflexão em torno das experiências e das práticas dos formandos, devendo o formador ter um papel ativo na ligação das práticas às políticas educativas de inclusão. Os docentes devem ser desafiados à revisão das suas práticas pedagógicas de acordo com os referenciais normativos em vigor. Elaboração de trabalho/reflexão final individual em função dos interesses e preferências dos formandos.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática Disponível emhttps://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N., Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégiasde ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora, 2021. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance forTeachers and Leaders Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do ProjetoMAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica(MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education.Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 19-09-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
2 26-09-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
3 03-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
4 12-10-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
5 18-10-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
6 25-10-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
7 02-11-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
8 08-11-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
9 15-11-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
10 22-11-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona


208

Ref. 1534 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115719/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 16-09-2023

Fim: 28-10-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, F. Foz e online

Formador

Fernanda Paula Fernandes dos Reis Pinheiro

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimento dos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização e concretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning, nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar. Trabalho autónomo (25h)

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 16-09-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 20-09-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 27-09-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 30-09-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
5 10-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 14-10-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
7 28-10-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial


341

Ref. 1535 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115719/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 16-09-2023

Fim: 28-10-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, F. Foz e online

Formador

Maria Teresa da Silva Rosa

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimento dos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização e concretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning, nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar. Trabalho autónomo (25h)

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 16-09-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 20-09-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 27-09-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 30-09-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
5 10-10-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 14-10-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
7 28-10-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial


363

Ref. 2352 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-062324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 13-09-2023

Fim: 19-09-2023

Regime: b-learning

Local: Agrupamento Escolas Zona Urbana F Foz (Escola-sede) e online

Formador

Ilídio José de Almeida Simões

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

O Google Drive é um serviço de armazenamento de ficheiros na nuvem desenvolvido pela Google. Foi lançado em abril de 2012, tornando-se numa das ferramentas mais populares para armazenar, compartilhar e sincronizar ficheiros online. O Google Drive oferece aos utilizadores a capacidade de armazenar documentos, fotos, vídeos e outros tipos de ficheiros na nuvem, o que significa que os ficheiros podem ser acedidos a partir de qualquer dispositivo com uma conexão à Internet. O Google Drive está integrado com outros serviços da Google, como o Google Docs, Google Sheets e Google Slides, que são aplicativos de produtividade baseados na nuvem, permitindo que os utilizadores criem e editem documentos diretamente no Google Drive, compartilhem-nos com outras pessoas e colaborem em tempo real. Outra característica importante do Google Drive é a capacidade de compartilhar ficheiros e pastas com outras pessoas, permitindo a colaboração fácil em projetos e trabalhos em equipe. Os utilizadores podem definir permissões de acesso, como visualização, edição ou comentários, para controlar quem pode fazer o quê com os seus ficheiros compartilhados. Esta ação de formação pretende capacitar os professores na correta utilização do Google Drive como uma ferramenta para armazenar, compartilhar e colaborar em documentos e ficheiros online, tornando-o uma parte essencial das ferramentas de produtividade para os professores.

Objetivos

• Gerir os perfis do Google: • Armazenamento de Documentos: Usar o Google Drive para armazenar e organizar documentos pessoais ou de trabalho de forma segura e acessível a partir de qualquer dispositivo. • Colaboração em Tempo Real: Colaborar com colegas ou amigos em documentos, planilhas ou apresentações, permitindo a edição em tempo real e comentários. • Compartilhamento de Ficheiros: Compartilhar ficheiros e pastas com outras pessoas, controlando as permissões de acesso e edição. • Backup de Dados: Fazer o backup de dados importantes no Google Drive para proteger contra perda de dados. • Acessibilidade: Facilitar o acesso a documentos e ficheiros importantes a partir de qualquer lugar, desde que haja uma conexão à Internet. • Sincronização de Dispositivos: Sincronizar documentos entre dispositivos, como computadores, smartphones e tablets, para ter sempre acesso aos ficheiros mais recentes. • Organização e Gestão de Ficheiros: Usar as funcionalidades de organização do Google Drive, como pastas, etiquetas e pesquisa avançada, para manter os ficheiros organizados e fáceis de encontrar. • Integração com Aplicações Google: Usar o Google Drive em conjunto com outras aplicações do Google, como o Google Docs, Google Sheets e Google Slides, para criar, editar e partilhar conteúdo de forma eficiente.

Conteúdos

• Gestão de perfis no Google. • Funcionamento do Google Drive online e offline. • Instalação da aplicação no PC e da extensão no Google Chrome, configuração e funcionalidades. • Utilização de outros serviços da Google, como o Google Docs, Google Sheets e Google Slides, aplicativos de produtividade baseados na nuvem, permitem a utilização e partilha em tempo real.

Anexo(s)

AFCD 235


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 13-09-2023 (Quarta-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial
2 19-09-2023 (Terça-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona


353

Ref. 2351 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-062324

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 12-09-2023

Fim: 18-09-2023

Regime: b-learning

Local: Agrupamento Escolas Zona Urbana F Foz (Escola-sede) e online

Formador

Ilídio José de Almeida Simões

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

O Google Drive é um serviço de armazenamento de ficheiros na nuvem desenvolvido pela Google. Foi lançado em abril de 2012, tornando-se numa das ferramentas mais populares para armazenar, compartilhar e sincronizar ficheiros online. O Google Drive oferece aos utilizadores a capacidade de armazenar documentos, fotos, vídeos e outros tipos de ficheiros na nuvem, o que significa que os ficheiros podem ser acedidos a partir de qualquer dispositivo com uma conexão à Internet. O Google Drive está integrado com outros serviços da Google, como o Google Docs, Google Sheets e Google Slides, que são aplicativos de produtividade baseados na nuvem, permitindo que os utilizadores criem e editem documentos diretamente no Google Drive, compartilhem-nos com outras pessoas e colaborem em tempo real. Outra característica importante do Google Drive é a capacidade de compartilhar ficheiros e pastas com outras pessoas, permitindo a colaboração fácil em projetos e trabalhos em equipe. Os utilizadores podem definir permissões de acesso, como visualização, edição ou comentários, para controlar quem pode fazer o quê com os seus ficheiros compartilhados. Esta ação de formação pretende capacitar os professores na correta utilização do Google Drive como uma ferramenta para armazenar, compartilhar e colaborar em documentos e ficheiros online, tornando-o uma parte essencial das ferramentas de produtividade para os professores.

Objetivos

• Gerir os perfis do Google: • Armazenamento de Documentos: Usar o Google Drive para armazenar e organizar documentos pessoais ou de trabalho de forma segura e acessível a partir de qualquer dispositivo. • Colaboração em Tempo Real: Colaborar com colegas ou amigos em documentos, planilhas ou apresentações, permitindo a edição em tempo real e comentários. • Compartilhamento de Ficheiros: Compartilhar ficheiros e pastas com outras pessoas, controlando as permissões de acesso e edição. • Backup de Dados: Fazer o backup de dados importantes no Google Drive para proteger contra perda de dados. • Acessibilidade: Facilitar o acesso a documentos e ficheiros importantes a partir de qualquer lugar, desde que haja uma conexão à Internet. • Sincronização de Dispositivos: Sincronizar documentos entre dispositivos, como computadores, smartphones e tablets, para ter sempre acesso aos ficheiros mais recentes. • Organização e Gestão de Ficheiros: Usar as funcionalidades de organização do Google Drive, como pastas, etiquetas e pesquisa avançada, para manter os ficheiros organizados e fáceis de encontrar. • Integração com Aplicações Google: Usar o Google Drive em conjunto com outras aplicações do Google, como o Google Docs, Google Sheets e Google Slides, para criar, editar e partilhar conteúdo de forma eficiente.

Conteúdos

• Gestão de perfis no Google. • Funcionamento do Google Drive online e offline. • Instalação da aplicação no PC e da extensão no Google Chrome, configuração e funcionalidades. • Utilização de outros serviços da Google, como o Google Docs, Google Sheets e Google Slides, aplicativos de produtividade baseados na nuvem, permitem a utilização e partilha em tempo real.

Anexo(s)

AFCD 235


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 12-09-2023 (Terça-feira) 14:30 - 17:30 3:00 Presencial
2 18-09-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona


352

Ref. 219219.16 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-512223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 19-07-2023

Fim: 19-07-2023

Regime: Presencial

Local: Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva, Cantanhede

Formador

Hermenegildo V. Freire

Rui Marques de Abreu

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

A disseminação das mobilidades Erasmus+ é uma parte essencial do programa. A partilha com pares de conhecimentos, aprendizagens e boas práticas dos países de acolhimento bem como a formação no exterior é uma excelente oportunidade (trans)formadora de ação e de enriquecimento pessoal e profissional dos docentes, ancorado nos pressupostos do Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva e nos valores e nas políticas europeias.

Objetivos

1. Partilhar conhecimentos, aprendizagens, boas práticas educativas e formativas dos países de acolhimento. 2. Promover reflexões contextualizadas que contribuam para o desenvolvimento de competências e a melhoria do desempenho profissional dos docentes. 3. Aumentar a participação de novos candidatos no programa Erasmus+, através do acesso a informações relevantes, experiências de aprendizagem e oportunidades de educação e formação.

Conteúdos

Sessões de 26 de junho - A cidadania global. Atividades centradas no aluno. Liderança de uma ação climática eficaz na sala de aula e na escola. - Gestão ambiental. Sustentabilidade. Aplicações e recursos educativos sobre proteção ambiental. Projeto sobre proteção Ambiental. Sessões de 27 de junho - O jogo e a aprendizagem. Aprendizagem baseada em jogos. Aprendizagem com base em gamificação. Recursos digitais para criação de situações de gamificação. - O mapeamento na ação pedagógica. Plataforma Nearpod. Sessões de 28 de junho - Apps ao serviço da argumentação, da avaliação, da produção de conteúdos e do trabalho colaborativo. - Empatia no contexto escolar. Pedagogia positiva na escola. Desafios para a inclusão. Mindfulness e relaxamento muscular. Sessões de 29 de junho - Dislexia. Funcionamento da mente de um disléxico. Estilos e dificuldades de aprendizagem. Planificação de atividades para alunos com dislexia. - Desafios e oportunidades do professor da atualidade. Importância dos 4 C´s (Critical Thinking, Creativity, Collaboration e Communication). Enredos em BD digital. Caça ao Tesouro. Sessões de 19 de julho - Jogos em ambientes educativos. Ferramentas digitais para resolução de problemas, perseverança e autonomia dos aprendentes. Benefícios da educação baseada em videojogos

Metodologias

Para obtenção de certificação de AFCD, cada formando terá de frequentar duas sessões, perfazendo um total de 6 horas de formação.


Observações

Game-based learning and gamification in the classroom (Atenas - Grécia) - Formadores: Natércia Ramos, Teresa Cardoso

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 19-07-2023 (Quarta-feira) 14:00 - 17:00 3:00 Presencial

Ref. 219219.15 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-512223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 18-07-2023

Fim: 18-07-2023

Regime: Presencial

Local: Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva, Cantanhede

Formador

Hermenegildo V. Freire

Rui Marques de Abreu

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

A disseminação das mobilidades Erasmus+ é uma parte essencial do programa. A partilha com pares de conhecimentos, aprendizagens e boas práticas dos países de acolhimento bem como a formação no exterior é uma excelente oportunidade (trans)formadora de ação e de enriquecimento pessoal e profissional dos docentes, ancorado nos pressupostos do Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva e nos valores e nas políticas europeias.

Objetivos

1. Partilhar conhecimentos, aprendizagens, boas práticas educativas e formativas dos países de acolhimento. 2. Promover reflexões contextualizadas que contribuam para o desenvolvimento de competências e a melhoria do desempenho profissional dos docentes. 3. Aumentar a participação de novos candidatos no programa Erasmus+, através do acesso a informações relevantes, experiências de aprendizagem e oportunidades de educação e formação.

Conteúdos

Sessões de 26 de junho - A cidadania global. Atividades centradas no aluno. Liderança de uma ação climática eficaz na sala de aula e na escola. - Gestão ambiental. Sustentabilidade. Aplicações e recursos educativos sobre proteção ambiental. Projeto sobre proteção Ambiental. Sessões de 27 de junho - O jogo e a aprendizagem. Aprendizagem baseada em jogos. Aprendizagem com base em gamificação. Recursos digitais para criação de situações de gamificação. - O mapeamento na ação pedagógica. Plataforma Nearpod. Sessões de 28 de junho - Apps ao serviço da argumentação, da avaliação, da produção de conteúdos e do trabalho colaborativo. - Empatia no contexto escolar. Pedagogia positiva na escola. Desafios para a inclusão. Mindfulness e relaxamento muscular. Sessões de 29 de junho - Dislexia. Funcionamento da mente de um disléxico. Estilos e dificuldades de aprendizagem. Planificação de atividades para alunos com dislexia. - Desafios e oportunidades do professor da atualidade. Importância dos 4 C´s (Critical Thinking, Creativity, Collaboration e Communication). Enredos em BD digital. Caça ao Tesouro. Sessões de 19 de julho - Jogos em ambientes educativos. Ferramentas digitais para resolução de problemas, perseverança e autonomia dos aprendentes. Benefícios da educação baseada em videojogos

Metodologias

Para obtenção de certificação de AFCD, cada formando terá de frequentar duas sessões, perfazendo um total de 6 horas de formação.


Observações

Game-based learning and gamification in the classroom (Atenas - Grécia) - Formadores: Natércia Ramos, Teresa Cardoso

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 18-07-2023 (Terça-feira) 09:00 - 13:01 4:01 Presencial

Ref. 219219.12 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-512223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 12-07-2023

Fim: 12-07-2023

Regime: Presencial

Local: Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva, Cantanhede

Formador

Hermenegildo V. Freire

Rui Marques de Abreu

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

A disseminação das mobilidades Erasmus+ é uma parte essencial do programa. A partilha com pares de conhecimentos, aprendizagens e boas práticas dos países de acolhimento bem como a formação no exterior é uma excelente oportunidade (trans)formadora de ação e de enriquecimento pessoal e profissional dos docentes, ancorado nos pressupostos do Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva e nos valores e nas políticas europeias.

Objetivos

1. Partilhar conhecimentos, aprendizagens, boas práticas educativas e formativas dos países de acolhimento. 2. Promover reflexões contextualizadas que contribuam para o desenvolvimento de competências e a melhoria do desempenho profissional dos docentes. 3. Aumentar a participação de novos candidatos no programa Erasmus+, através do acesso a informações relevantes, experiências de aprendizagem e oportunidades de educação e formação.

Conteúdos

Sessões de 26 de junho - A cidadania global. Atividades centradas no aluno. Liderança de uma ação climática eficaz na sala de aula e na escola. - Gestão ambiental. Sustentabilidade. Aplicações e recursos educativos sobre proteção ambiental. Projeto sobre proteção Ambiental. Sessões de 27 de junho - O jogo e a aprendizagem. Aprendizagem baseada em jogos. Aprendizagem com base em gamificação. Recursos digitais para criação de situações de gamificação. - O mapeamento na ação pedagógica. Plataforma Nearpod. Sessões de 28 de junho - Apps ao serviço da argumentação, da avaliação, da produção de conteúdos e do trabalho colaborativo. - Empatia no contexto escolar. Pedagogia positiva na escola. Desafios para a inclusão. Mindfulness e relaxamento muscular. Sessões de 29 de junho - Dislexia. Funcionamento da mente de um disléxico. Estilos e dificuldades de aprendizagem. Planificação de atividades para alunos com dislexia. - Desafios e oportunidades do professor da atualidade. Importância dos 4 C´s (Critical Thinking, Creativity, Collaboration e Communication). Enredos em BD digital. Caça ao Tesouro. Sessões de 19 de julho - Jogos em ambientes educativos. Ferramentas digitais para resolução de problemas, perseverança e autonomia dos aprendentes. Benefícios da educação baseada em videojogos

Metodologias

Para obtenção de certificação de AFCD, cada formando terá de frequentar duas sessões, perfazendo um total de 6 horas de formação.


Observações

- Dyslexia and Inclusive Language Teaching (Budapeste - Hungria)

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 12-07-2023 (Quarta-feira) 09:00 - 12:00 3:00 Presencial

Ref. 219219.13 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-512223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 12-07-2023

Fim: 12-07-2023

Regime: Presencial

Local: None

Formador

Hermenegildo V. Freire

Rui Marques de Abreu

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

A disseminação das mobilidades Erasmus+ é uma parte essencial do programa. A partilha com pares de conhecimentos, aprendizagens e boas práticas dos países de acolhimento bem como a formação no exterior é uma excelente oportunidade (trans)formadora de ação e de enriquecimento pessoal e profissional dos docentes, ancorado nos pressupostos do Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva e nos valores e nas políticas europeias.

Objetivos

1. Partilhar conhecimentos, aprendizagens, boas práticas educativas e formativas dos países de acolhimento. 2. Promover reflexões contextualizadas que contribuam para o desenvolvimento de competências e a melhoria do desempenho profissional dos docentes. 3. Aumentar a participação de novos candidatos no programa Erasmus+, através do acesso a informações relevantes, experiências de aprendizagem e oportunidades de educação e formação.

Conteúdos

Sessões de 26 de junho - A cidadania global. Atividades centradas no aluno. Liderança de uma ação climática eficaz na sala de aula e na escola. - Gestão ambiental. Sustentabilidade. Aplicações e recursos educativos sobre proteção ambiental. Projeto sobre proteção Ambiental. Sessões de 27 de junho - O jogo e a aprendizagem. Aprendizagem baseada em jogos. Aprendizagem com base em gamificação. Recursos digitais para criação de situações de gamificação. - O mapeamento na ação pedagógica. Plataforma Nearpod. Sessões de 28 de junho - Apps ao serviço da argumentação, da avaliação, da produção de conteúdos e do trabalho colaborativo. - Empatia no contexto escolar. Pedagogia positiva na escola. Desafios para a inclusão. Mindfulness e relaxamento muscular. Sessões de 29 de junho - Dislexia. Funcionamento da mente de um disléxico. Estilos e dificuldades de aprendizagem. Planificação de atividades para alunos com dislexia. - Desafios e oportunidades do professor da atualidade. Importância dos 4 C´s (Critical Thinking, Creativity, Collaboration e Communication). Enredos em BD digital. Caça ao Tesouro. Sessões de 19 de julho - Jogos em ambientes educativos. Ferramentas digitais para resolução de problemas, perseverança e autonomia dos aprendentes. Benefícios da educação baseada em videojogos

Metodologias

Para obtenção de certificação de AFCD, cada formando terá de frequentar duas sessões, perfazendo um total de 6 horas de formação.


Observações

Digital storytelling (Split - Croácia)

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 12-07-2023 (Quarta-feira) 13:30 - 16:30 3:00 Presencial

Ref. 219219.9 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-512223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 10-07-2023

Fim: 10-07-2023

Regime: Presencial

Local: Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva, Cantanhede

Formador

Hermenegildo V. Freire

Rui Marques de Abreu

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

A disseminação das mobilidades Erasmus+ é uma parte essencial do programa. A partilha com pares de conhecimentos, aprendizagens e boas práticas dos países de acolhimento bem como a formação no exterior é uma excelente oportunidade (trans)formadora de ação e de enriquecimento pessoal e profissional dos docentes, ancorado nos pressupostos do Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva e nos valores e nas políticas europeias.

Objetivos

1. Partilhar conhecimentos, aprendizagens, boas práticas educativas e formativas dos países de acolhimento. 2. Promover reflexões contextualizadas que contribuam para o desenvolvimento de competências e a melhoria do desempenho profissional dos docentes. 3. Aumentar a participação de novos candidatos no programa Erasmus+, através do acesso a informações relevantes, experiências de aprendizagem e oportunidades de educação e formação.

Conteúdos

Sessões de 26 de junho - A cidadania global. Atividades centradas no aluno. Liderança de uma ação climática eficaz na sala de aula e na escola. - Gestão ambiental. Sustentabilidade. Aplicações e recursos educativos sobre proteção ambiental. Projeto sobre proteção Ambiental. Sessões de 27 de junho - O jogo e a aprendizagem. Aprendizagem baseada em jogos. Aprendizagem com base em gamificação. Recursos digitais para criação de situações de gamificação. - O mapeamento na ação pedagógica. Plataforma Nearpod. Sessões de 28 de junho - Apps ao serviço da argumentação, da avaliação, da produção de conteúdos e do trabalho colaborativo. - Empatia no contexto escolar. Pedagogia positiva na escola. Desafios para a inclusão. Mindfulness e relaxamento muscular. Sessões de 29 de junho - Dislexia. Funcionamento da mente de um disléxico. Estilos e dificuldades de aprendizagem. Planificação de atividades para alunos com dislexia. - Desafios e oportunidades do professor da atualidade. Importância dos 4 C´s (Critical Thinking, Creativity, Collaboration e Communication). Enredos em BD digital. Caça ao Tesouro. Sessões de 19 de julho - Jogos em ambientes educativos. Ferramentas digitais para resolução de problemas, perseverança e autonomia dos aprendentes. Benefícios da educação baseada em videojogos

Metodologias

Para obtenção de certificação de AFCD, cada formando terá de frequentar duas sessões, perfazendo um total de 6 horas de formação.


Observações

"VDG - Videogames in Education: Innovative Gamification and Game-Based Learning Techniques" (Atenas - Grécia) - 19 julho (4.af) - 09h00 - 12h00 - SALA B8

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 10-07-2023 (Segunda-feira) 13:30 - 16:30 3:00 Presencial

Ref. 2201 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-522223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 29-06-2023

Fim: 29-06-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz

Formador

Fernanda Paula Fernandes dos Reis Pinheiro

Destinatários

Assistentes Operacionais da ESJCFF

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

A Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA) condiciona o comportamento/ as atitudes de algumas crianças/ alguns jovens em idade escolar. Torna-se importante aprofundar o conhecimento sobre as características das crianças/dos jovens com PHDA de forma a otimizar a adequação das estratégias de abordagem às suas características.

Objetivos

- Compreender a PHDA; - Sensibilizar para a adequação de estratégias no contacto com crianças/jovens com PHDA.

Conteúdos

- Características das crianças com PHDA; - Estratégias de atuação no contacto com crianças/jovens com PHDA.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 29-06-2023 (Quinta-feira) 09:00 - 12:00 3:00 Presencial

Ref. 219219.4 Concluída

Registo de acreditação: CFAEBM-512223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 27-06-2023

Fim: 27-06-2023

Regime: Presencial

Local: Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva, Cantanhede

Formador

Hermenegildo V. Freire

Rui Marques de Abreu

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Enquadramento

A disseminação das mobilidades Erasmus+ é uma parte essencial do programa. A partilha com pares de conhecimentos, aprendizagens e boas práticas dos países de acolhimento bem como a formação no exterior é uma excelente oportunidade (trans)formadora de ação e de enriquecimento pessoal e profissional dos docentes, ancorado nos pressupostos do Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas Marquês de Marialva e nos valores e nas políticas europeias.

Objetivos

1. Partilhar conhecimentos, aprendizagens, boas práticas educativas e formativas dos países de acolhimento. 2. Promover reflexões contextualizadas que contribuam para o desenvolvimento de competências e a melhoria do desempenho profissional dos docentes. 3. Aumentar a participação de novos candidatos no programa Erasmus+, através do acesso a informações relevantes, experiências de aprendizagem e oportunidades de educação e formação.

Conteúdos

Sessões de 26 de junho - A cidadania global. Atividades centradas no aluno. Liderança de uma ação climática eficaz na sala de aula e na escola. - Gestão ambiental. Sustentabilidade. Aplicações e recursos educativos sobre proteção ambiental. Projeto sobre proteção Ambiental. Sessões de 27 de junho - O jogo e a aprendizagem. Aprendizagem baseada em jogos. Aprendizagem com base em gamificação. Recursos digitais para criação de situações de gamificação. - O mapeamento na ação pedagógica. Plataforma Nearpod. Sessões de 28 de junho - Apps ao serviço da argumentação, da avaliação, da produção de conteúdos e do trabalho colaborativo. - Empatia no contexto escolar. Pedagogia positiva na escola. Desafios para a inclusão. Mindfulness e relaxamento muscular. Sessões de 29 de junho - Dislexia. Funcionamento da mente de um disléxico. Estilos e dificuldades de aprendizagem. Planificação de atividades para alunos com dislexia. - Desafios e oportunidades do professor da atualidade. Importância dos 4 C´s (Critical Thinking, Creativity, Collaboration e Communication). Enredos em BD digital. Caça ao Tesouro. Sessões de 19 de julho - Jogos em ambientes educativos. Ferramentas digitais para resolução de problemas, perseverança e autonomia dos aprendentes. Benefícios da educação baseada em videojogos

Metodologias

Para obtenção de certificação de AFCD, cada formando terá de frequentar duas sessões, perfazendo um total de 6 horas de formação.


Observações

"Ict tools for a creative and collaborative classroom" (Tenerife - Espanha) - 27 junho (3.af) - 13h30 - 16h30 - SALA B8

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 27-06-2023 (Terça-feira) 13:30 - 16:30 3:00 Presencial

Ref. 1531 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115719/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 06-05-2023

Fim: 01-07-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, F. Foz e online

Formador

Maria Fernanda das Neves Seabra Santos

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimento dos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização e concretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning, nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar. Trabalho autónomo (25h)

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 06-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 15-05-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
3 20-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 27-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
5 03-06-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
6 17-06-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
7 01-07-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial


210

Ref. 1532 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115719/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 06-05-2023

Fim: 01-07-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, F. Foz e online

Formador

Maria Teresa da Silva Rosa

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimento dos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização e concretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning, nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar. Trabalho autónomo (25h)

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 06-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 15-05-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
3 20-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 27-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
5 03-06-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
6 17-06-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
7 01-07-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial


211

Ref. 1533 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115719/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 06-05-2023

Fim: 01-07-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, F. Foz e online

Formador

Fernanda Paula Fernandes dos Reis Pinheiro

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O enquadramento legal da educação inclusiva e as orientações sobre a recuperação das aprendizagens constituem um enorme desafio para novas/os práticas pedagógicas, interfaces comunicativas, fundamentos humanistas em que todos são parte do sistema e desenvolvem um diálogo igualitário, um pensamento e uma consciência próprios. Assim, há que criar ambientes seguros e estimulantes nas escolas para que o diálogo, a reflexão e a partilha orientem os agentes educativos para a inclusão. Esta formação procura apoiar a operacionalização de práticas pedagógicas inclusivas para que os alunos sejam melhores aprendentes e o professor melhor ensinante, definindo com maior acuidade as ações bem como as evidências a identificar em contexto de sala de aula. A presente ação insere-se no processo de concretização do Projeto Educação Inclusiva 21-23 e do plano integrado para a recuperação das aprendizagens dos alunos do ensino básico e secundário, Plano 21|23 Escola+.

Objetivos

• Explorar os documentos legislativos (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) e de apoio à prática letiva de forma integrada, identificando implicações para a organização de práticas mais inclusivas • Aplicar colaborativamente os princípios subjacentes ao desenho universal para a aprendizagem e à abordagem multinível • Planear com intencionalidade estratégica, organizando a dinâmica pedagógica, conciliando as aprendizagens a desenvolver e a diversidade de todos alunos • Conceber instrumentos de suporte à recolha de informação que contribuam para a tomada de decisão. • Consolidar a implementação do ciclo: Avaliar – Planear – Agir - Rever • Produzir e aplicar em contexto de sala de aula instrumentos de avaliação e planificação das aprendizagens • Partilhar experiências facilitadoras do um processo ensino-aprendizagem inclusivo • Explorar colaborativamente práticas educativas inovadoras

Conteúdos

Módulo 1. Impacto das orientações de política educativa nas práticas pedagógicas • Exploração integrada dos documentos de política educativa (Decreto- Lei n.º 54/2018, Decreto-Lei n.º 55/2018, Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Aprendizagens Essenciais) Módulo 2. Ambientes educativos inclusivos - opções metodológicas • Práticas de ensino e intervenção diferenciadas, em função do perfil de competências dos alunos • Estratégias de antecipação da diversidade em sala de aula, com recurso a ambientes de aprendizagem flexíveis e centrados no aluno (DUA) Módulo 3. Valorização da diversidade em sala de aula – criação e partilha de recursos • Mecanismos de planeamento e gestão curricular com caráter intencional e estratégico • O que ensinar e porquê, como, quando, com que prioridades, com que meios, com que organização e com que resultados: exercícios práticos Módulo 4. Avaliação formativa enquanto processo regulador do ensino e da aprendizagem • Planificação intencional da avaliação formativa tendo como objetivos melhorar os resultados das aprendizagens e ajustar o processo de ensino

Metodologias

A metodologia de formação é de cariz teórico-prática, propondo-se dinâmicas que visam encorajar o envolvimento dos participantes em atividades de aprendizagem, partilha e reflexão sobre a temática, com vista à otimização e concretização dos objetivos propostos para esta ação de formação, em regime de frequência b-learning, nomeadamente: - Apresentação de conteúdos e conceitos; - Partilha de experiências; - Trabalho(s) de grupo; - Reflexão e debate de ideias; No desenvolvimento do trabalho autónomo pretende-se que os formandos apliquem instrumentos e conhecimentos adquiridos, no âmbito da formação, em contexto escola/sala de aula, tendo presente o ciclo: avaliar o contexto, planear, aplicar, rever, ajustar. Trabalho autónomo (25h)

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado pelos formandos.

Bibliografia

DGE (2018), Para uma educação inclusiva: Manual de Apoio à Prática https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/EEspecial/manual_de_apoio_a_pratica.pdf Acesso 02/02/2022 Cosme, A., Lima L., Ferreira D., Ferreira N. (2021), Metodologias, métodos e situações de aprendizagem: propostas e estratégias de ação : ensino básico, ensino secundário,1ª ed. - Porto: Porto Editora. European Agency for Special Needs and Inclusive Education (2018), Key Actions for Raising Achievement, Guidance for Teachers and Leaders • Disponível em https://www.european-agency.org/sites/default/files/Key%20Actions%20for%20Raising%20Achievement.pdf Acesso 02/02/2022 Fernandes, D. (2021). Para uma Fundamentação e Melhoria das Práticas de Avaliação Pedagógica no Âmbito do Projeto MAIA, Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Acesso 02/02/2022 UNESCO (2022). REACHING OUT TO ALL LEARNERS: a resource pack for supporting inclusion and equity in education. Geneva: UNESCO – IBE. Disponível em: http://www.ibe.unesco.org/en/news/reaching-out-all-learners-resource-pack-supporting-inclusion-and-equity-education Acesso em 02/02/2022

Anexo(s)


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 06-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 15-05-2023 (Segunda-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Online síncrona
3 20-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 27-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
5 03-06-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
6 17-06-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
7 01-07-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial


276

Ref. 1452.41 Concluída

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116824/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 22-04-2023

Fim: 17-06-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz

Formador

Luís Miguel Carvalheiro Correia

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar (POCH)

Enquadramento

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as CD dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 2) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de competências digitais dos alunos.

Objetivos

Esta ação de formação pretende desenvolver com os docentes de nível 2 (B1/B2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e estratégias que lhes permita desenvolver CD do nível seguinte (C1/C2 do DigCompEdu). São objetivos específicos: - promover o desenvolvimento, aprofundamento e densificação das CD dos docentes, tendo em vista as 6 áreas do referencial DigCompEdu; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - capacitar os docentes para a implementação de atividades que promovam a aprendizagem e o desenvolvimento das CD dos alunos; - estimular a reflexão, partilha e utilização crítica das tecnologias em contexto educativo.

Conteúdos

- Documentos de enquadramento das políticas educativas. - Envolvimento profissional: Discussão, renovação e inovação na prática profissional. Processos de liderança na era digital. - Recursos Educativos Digitais (RED): Utilização de estratégias e RED avançados de forma abrangente. Promoção da utilização de RED de forma colaborativa. - Ensino e Aprendizagem: Renovação da prática de ensino de forma estratégica e intencional. Inovação no processo de ensino e de aprendizagem em diferentes modalidades de ensino. - Avaliação das aprendizagens: Reflexão crítica sobre estratégias de avaliação digital. Inovação na avaliação das aprendizagens com recursos a soluções digitais. - CD dos Alunos: Promoção da CD dos alunos de forma abrangente e crítica. Inovação no envolvimento dos alunos utilizando formatos inovadores para promover a sua CD. - Planeamento da formação e aprendizagem ao longo da vida.

Metodologias

As sessões presenciais são destinadas à exploração do DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas de partilha, suportadas por um ambiente colaborativo; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação e avaliação; à planificação e criação de atividades a implementar na escola, que promovam o desenvolvimento das CD docente e, simultaneamente, dos alunos; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento profissional docente. Em específico, na componente de trabalho autónomo, pretende-se assegurar a implementação das atividades planificadas nas sessões presenciais, em situações reais de ensino-aprendizagem com alunos, articulando o DigCompEdu com o respetivo currículo, e a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. Na última sessão, os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se a discussão e a partilha.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o “Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education – guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htm Comissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=EN Lucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf Ministério da Educação (2017). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, Lisboa: ME


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo de sessão
1 22-04-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
2 03-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 06-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
4 11-05-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 13-05-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial
6 01-06-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 17-06-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Presencial


285
Consultar arquivo de oferta formativa