Contactos
Rua Cristina Torres 3080-210 Figueira da Foz
233401050

Oferta Formativa

Consulte informações sobre a oferta formativa

Documentos

Consulta e download de documentos e formulários.

Legislação

Consulte a legislação em vigor

O CFAE Beira Mar faz parte da organização de um encontro de professores que visa a partilha de práticas pedagógicas e tecnologias aplicadas à educação.

Este evento está a ser coordenado pela Universidade de Coimbra (UC) e terá lugar nos dias 10 e 11 de março de 2023.

O “EdTech Summit Portugal 2023”, acontecerá no Convento de São Francisco, em articulação com outros espaços da cidade e da Universidade de Coimbra, e contará com ‘workshops’ e conferencistas nacionais e internacionais do setor da educação.

Trata-se de uma iniciativa que visa “refletir sobre a educação que existe, a educação que se quer ter à luz dos desenvolvimentos que têm ocorrido, nomeadamente no domínio tecnológico”, disse, na apresentação do evento, a vice-reitora da UC para os Assuntos Académicos e Atratividade de Estudantes Pré-graduados, Cristina Albuquerque.

Diário As Beiras – Evento em Coimbra junta professores de todo o país para pensar a educação

 

DIVULGAÇÃO

164

Ciência e Pseudociência: Filosofia da Ciência e o Problema da Demarcação

Curso

 

25.0 horas

 

e-learning

 

Professores dos Grupos 410, 510 e 520

online

Os esforços para classificar o conhecimento são antigos. Aristóteles procurou ordenar as várias esferas da cultura em função da natureza do seu objeto e método, identificando três ciências: a teórica, a prática e a poiética, sendo claro que a ciência (silogistica) não poderia responder a todas as questões ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1321 Inscrições abertas até 01-10-2022

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-111780/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 08-10-2022

Fim: 29-10-2022

Regime: e-learning

Local: online

Destinatários

Professores dos Grupos 410, 510 e 520

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 410, 510 e 520. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 410, 510 e 520.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Razões

Os esforços para classificar o conhecimento são antigos. Aristóteles procurou ordenar as várias esferas da cultura em função da natureza do seu objeto e método, identificando três ciências: a teórica, a prática e a poiética, sendo claro que a ciência (silogistica) não poderia responder a todas as questões humanas e que outras áreas tinham de lidar com a dimensão mais contingente da vida. Distingui-las era fundamental para cada uma desempenhar adequadamente o seu papel. Contemporaneamente, as tentativas de encontrar critérios de classificação do conhecimento mantém toda a sua pertinência, pois os ataques às áreas tradicionais, nomeadamente à ciência (teorias da conspiração e movimentos anti-intelectuais) têm diluído distinções, gerado confusão e questionado o valor de todo o empreendimento epistémico e mesmo colocar em risco vidas humanas (p.e., a charlatanice inerente a tratamentos médicos alternativos ou a pseudociência em torno da COVID-19). A presente ação visa fornecer uma abordagem ampla do problema da demarcação, salientando a sua importância e pertinência atual, bem como apresentando alguns dos seus principais defensores e detratores. Tratando-se de um tema central no programa de Filosofia do 11º (Secção do Módulo IV – “Estatuto do Conhecimento Científico”) e das Aprendizagens Essenciais (visando desenvolver os descritores A, C, D, E, F, I), poderá contribuir fortemente para uma reflexão crítica dos alunos, levando-os a compreender o modo como o genuíno conhecimento se distingue do conhecimento ilusório e para evitar as armadilhas do sincretismo, que visam colocar todas as áreas de pensamento culturais ao mesmo nível (ciência, paraciência e pseudociência).

Objetivos

1. Compreender a natureza e a importância do problema da demarcação 2. Analisar alguns dos critérios de demarcação propostos pela Filosofia da Ciência 3. Explorar as limitações dos vários critérios de demarcação 4. Conhecer os críticos do problema da demarcação 5. Desenvolver abordagens pedagógicas e dispositivos didáticos sobre o tema e que possam vir a ser partilhados como recursos educativos abertos

Conteúdos

Os conteúdos desta ação 1. Introdução Panorâmica 1.1. A necessidade de classificar o conhecimento 1.2. Problemas do problema da demarcação: 1.2.1. Valor e legitimidade 1.2.2. Se tem valor, onde distinguir? Ciência, não-ciência, paraciência e pseudociência 1.2.3. Se tem valor, como distinguir? Há um critério? 1.2.4. Se não tem valor? Tudo é conhecimento? 2. Critérios de Demarcação 2.1. Antiguidade (Aristóteles) 2.1.1. Objeto da demarcação 2.1.2. Critério da demonstração lógica 2.1.3. Problema do critério da demonstração lógica 2.2. Positivismo Lógico (A. J. Ayer) 2.2.1. Objeto da demarcação 2.2.2. Critério da verificabilidade 2.2.3. Problemas com a verificabilidade 2.3. Falsificacionismo (K. Popper, I. Lakatos) 2.3.1. Objeto da demarcação 2.3.2. Critério de falsificabilidade lógico 2.3.3. Critério de falsificabilidade sofisticado 2.3.4. Problemas da falsificabilidade 2.4. Historicismo (T. Kuhn) 2.4.1. Objeto de demarcação 2.4.2. Critério da resolução de quebra-cabeças 2.4.3. Problemas da resolução de quebra-cabeças 2.5. Sociologia (R. Merton) 2.5.1. Objeto de demarcação 2.5.2. O ‘ethos’ como critério 2.5.3. Problemas do ‘ethos’ 2.6. Abordagem dos Critério Múltiplos (M. Mahner) 2.6.1. Objeto de demarcação 2.6.2. Critérios múltiplos 2.6.3. Problemas dos critérios múltiplos 3. A ‘Morte’ da Demarcação 3.1. A retórica vazia da demarcação (L. Laudan) 3.2. Vale tudo? (P. Feyerabend) 4. A Filosofia da Pseudociência: A Demarcação Reconsiderada

Metodologias

- As sessões serão de cariz teórico-prático. Nesse sentido, serão desenvolvidas atividades de leitura, análise e avaliação de textos e de construção de planificações, de materiais didáticos e de instrumentos de análise. - Os métodos usados serão o diálogo vertical e horizontal, o trabalho de grupo e o trabalho de pesquisa. Serão usados recursos como apresentações e textos. - Os conteúdos teórico-práticos serão explorados e discutidos nas sessões síncronas, a realizar na plataforma Zoom. - A componente prática, a realizar nas sessões síncronas na plataforma Zoom e no trabalho assíncrono / autónomo consiste na conceção de planificação de atividades e de recursos de aula que serão apresentados e discutidos nas sessões síncronas. - As plataformas Moodle e Zoom constituem dois dos elementos nucleares para a partilha de informações (textos, vídeos), avaliações (tarefas e reflexão final) e para a formação em geral.

Avaliação

• Assiduidade e participação nas sessões - 20% • Realização de tarefas – 30% • Reflexão fundamentada, com elaboração de recursos didáticos – 50% • Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais. • Trabalhos práticos e reflexões críticas efetuadas, a partir das e nas sessões presenciais, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados na escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – Setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores - Excelente.

Bibliografia

MacIntyre, L. – The Scientific Attitude: Defending Science from Denial, Fraud and Pseudoscience. Cambridge: MIT, 2019. Mahner, M. – “Demarcating Science from Non-Science”. In: Kuipers, T. (Ed.) – General Philosophy of Science: Focal Issues. Amsterdam: ELSEVIER, 2007, p. 515-575. Pigniucci, M. – Nonsense on Stilts: How to Tell Science from Bunk. Chicago: The University of Chicago Press, 2010. Pigniucci, M.; Boudry, M (Ed.) – Philosophy of Pseudocience: Reconsidering the Demarcation Problem. Chicago: The University of Chicago Press, 2013. Regal, B. – Pseudoscience: A Critical Encyclopedia. Santa Barbara: ABC CLIO, 2009.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 08-10-2022 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
2 15-10-2022 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
3 22-10-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 29-10-2022 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona

INSCREVER-ME

Ser Quem Sou: Ansiedade social e de desempenho – como facilitar a mudança?

ACD

 

3.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz

Na escola, tem-se observado um número crescente de alunos que manifestam ansiedade na relação com os outros e nas situações de desempenho (testes, apresentações orais, participação na aula, etc.). A preocupação com o que os outros pensam de si e do seu desempenho, sendo muito intensa, torna-se ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1371 Inscrições abertas até 04-10-2022

Registo de acreditação: CFAEBM-022223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 12-10-2022

Fim: 12-10-2022

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz

Formador

Eliana Fernandes Silva

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Razões

Na escola, tem-se observado um número crescente de alunos que manifestam ansiedade na relação com os outros e nas situações de desempenho (testes, apresentações orais, participação na aula, etc.). A preocupação com o que os outros pensam de si e do seu desempenho, sendo muito intensa, torna-se interferente, limitando as suas relações com colegas e professores, e prejudicando a sua capacidade de mostrar o que efetivamente sabe, em situações de desempenho. Considerando a relação privilegiada que os professores têm com os alunos e ainda o facto de que os quadros clínicos de ansiedade social e de ansiedade de desempenho se manifestam no contexto de aula (p.e., alunos com crises de ansiedade), surge como essencial dotar os professores de conhecimento que lhes permita compreender estas dificuldades e de estratégias que lhes permitam modelar competências de regulação da ansiedade.

Objetivos

- Facilitar a identificação por parte dos professores dos alunos com quadro de ansiedade; - Enumerar estratégias que podem usar para ajudar os alunos a gerir a sua ansiedade.

Conteúdos

1. Compreender a ansiedade e a sua manifestação 2. Ansiedade social e de desempenho: definição, etiologia e fatores de manutenção 3. Como ajudar: estratégias facilitadoras da mudança


Observações

Esta AFCD destina-se exclusivamente a docentes da Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 12-10-2022 (Quarta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial

INSCREVER-ME
167

Ensaio filosófico: uma revolução coperniciana

Curso

 

25.0 horas

 

e-learning

 

Professores do Grupo 410

online

O ensaio é um dispositivo hermenêutico e heurístico capaz de desenvolver competências de problematização, concetualização e argumentação específicas da filosofia, mas dotadas de um caráter transversal, materializado na visão e nos valores inscritos no documento Perfil dos alunos à saída da escolaridade ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1351 Inscrições abertas até 14-10-2022

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-112374/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 21-10-2022

Fim: 19-11-2022

Regime: e-learning

Local: online

Destinatários

Professores do Grupo 410

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Grupo 410. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Grupo 410.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas Beira Mar e Associação de Professores de Filosofia

Razões

O ensaio é um dispositivo hermenêutico e heurístico capaz de desenvolver competências de problematização, concetualização e argumentação específicas da filosofia, mas dotadas de um caráter transversal, materializado na visão e nos valores inscritos no documento Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória. A realização de ensaios inscreve-se numa metodologia de construção progressiva das aprendizagens e, de acordo com as Aprendizagens Essenciais da disciplina de Filosofia 10.º e 11.º anos, assume um caráter vinculativo. O ensaio filosófico é um espaço privilegiado para, numa dinâmica de flexibilização curricular, instanciar uma lógica de avaliação para as aprendizagens, que procura apoiar e criar as condições para a prossecução de aprendizagens significativas por parte dos alunos. A falta de formação e de familiaridade com as técnicas, modalidades e finalidades do ensaio torna fundamental uma formação nesta área.

Objetivos

Adquirir competências no âmbito do ensaio filosófico Inscrever o ensaio filosófico como dispositivo hermenêutico e heurístico de problematização da generalidade dos conteúdos que compõem o currículo Desenvolver métodos de planificação, elaboração, acompanhamento e avaliação de ensaios filosóficos Potenciar dinâmicas de flexibilização curricular Articular o ensaio filosófico com a utilização de metodologias ativas Promover, através do ensaio filosófico, as competências inscritas no Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória Promover uma verdadeira articulação entre as modalidades de avaliação das aprendizagens (sumativa) e as modalidades de avaliação para as aprendizagens (formativa) Criar condições para uma efetiva revolução coperniciana, em que o centro da prática letiva abandone o docentecentrismo e adote um verdeiro discentecentrismo, contribuindo para um upgrade do trabalho filosófico realizado com os alunos e, consequentemente, das suas aprendizagens e formação integral

Conteúdos

Sessão 1 – 2 horas síncronas O ENSAIO FILOSÓFICO COMO DISPOSITIVO HERMENÊUTICO E HEURÍSTICO O âmbito do ensaio filosófico O conceito de ensaio filosófico: O que é e o que se pretende com um ensaio? O domínio da doxa vs. o da episteme. A coluna vertebral do ensaio: Formulação do problema. Enunciação da tese. Formulação dos argumentos. Construção da solidez. Possíveis objeções e contra-argumentos. Posição pessoal e crítica. Sessão 2 – 3 horas síncronas AS MODALIDADES DO ENSAIO Ensaios de matriz hermenêutica: Análise de perspetivas. Análise de argumentos. Comparação de argumentos. Exploração das consequências de uma tese. Revelação de um pressuposto comum. Ensaios de matriz heurística: Defesa de uma tese pessoal. Formulação de um novo argumento. Concordância com uma tese mas discordância do argumento. Formulação e justificação de uma nova tese. Sessão 3 – 2 horas síncronas COMO ESCREVER UM BOM ENSAIO FILOSÓFICO Os cinco pilares do ensaio filosófico: Propósito. Audiência. Argumentação. Narrativa. Estilo. Exigências lógicas: Validade, solidez e cogência. Consistência e não-contradição. Refutação: condições de verdade/falsidade de proposições. Advogado do diabo. Força, plausibilidade e verosimilhança. Sessão 4 – 2,5 horas assíncronas ENSAIO FILOSÓFICO: MÃOS À OBRA Realização pelos formandos de um ensaio de duas páginas, sobre um tópico predefinido, que cumpra os requisitos essenciais de um bom ensaio filosófico. Sessão 5 – 3 horas síncronas O ENSAIO NO NOVO PARADIGMA EDUCATIVO O ensaio e o Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória. O ensaio e as diferentes áreas de competência. O ensaio e a avaliação para as aprendizagens. O ensaio e a utilização de metodologias ativas. Sessão 6 – 2 horas síncronas A AVALIAÇÃO DO ENSAIO FILOSÓFICO: O quê? Porquê? Para quê? Como? Os cinco referentes: Relevância filosófica. Persuasão e capacidade argumentativa. Rigor e a coerência. Autonomia e originalidade. Os princípios da leitura ativa: Leitura particular e holística. Os perigos do enviesamento. Dispositivos para a avaliação O ensaio e o feedback: feed up, feed back, feed forward. O ensaio e as rubricas. Critérios e standards de avaliação. Modalidades de avaliação: hetero, autoavaliação e avaliação interpares. Sessão 7 – 4 horas síncronas O ENSAIO COMO PROJETO FILOSÓFICO Construção sucessiva do ensaio filosófico através de um trabalho de projeto. Sessão 7 – 2,5 horas assíncronas Realização, em trabalho de grupo, de propostas de projetos filosóficos. Sessão 8 – 4 horas síncronas Apresentação das propostas de projetos filosóficos.

Metodologias

As sessões serão de cariz teórico-prático e serão dinamizadas através da tematização dialógica de cada um dos conteúdos, sempre contextualizados a partir de casos práticos que constituirão a base para o debate e análise crítica de teses e argumentos. A componente prática, a realizar nas sessões síncronas na plataforma Zoom e, essencialmente, no trabalho assíncrono/autónomo (realizadas com recurso à plataforma Moodle) consistirá na leitura de partes da bibliografia de referência, na resolução de pequenos desafios e na conceção de planificação de atividades e de recursos de aula que serão apresentados e discutidos nas sessões síncronas.

Avaliação

Para além dos materiais e das reflexões realizadas durante a formação síncrona, os formandos terão que elaborar: ● Um trabalho individual, na modalidade de ensaio filosófico, em que materialize as competências adquiridas. ● Um projeto filosófico, realizado em modalidade de trabalho de grupo que será apresentado e alvo de análise crítica na última sessão síncrona. ● Um trabalho final de reflexão sobre o ensaio filosófico como um dispositivo para a realização de uma alteração dos práticas letivas, conducente a uma revolução coperniciana de natureza didático-filosófica. PARTICIPAÇÃO e grau de envolvimento na realização das tarefas das sessões presenciais - Pontualidade: 10% - Participação: 10% - Trabalho das sessões: 30% TRABALHO FINAL: 50%

Bibliografia

Baggini, Julian, Fosl, Peter S. (2010). The Philosopher’s Toolkit. A Compendium of Philosophical Concepts and Methods. Wiley-Blackwell Chudnoff, Elijah (2007). A Guide to Philosophical Writing. The Writing Center Martinich, A. P. (1996). Philosophical Writing. An Introduction. Blackwell, Oxford Warburton, N. (2006). The Basics of Essay Writing. Routledge Vaughn, Lewis (2018). Writing Philosophy. A student’s guide to reading and writing philosophy essays, Oxford


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 21-10-2022 (Sexta-feira) 19:00 - 21:00 2:00 Online síncrona
2 22-10-2022 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
3 28-10-2022 (Sexta-feira) 19:00 - 21:00 2:00 Online síncrona
4 29-10-2022 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
5 11-11-2022 (Sexta-feira) 19:00 - 21:00 2:00 Online síncrona
6 12-11-2022 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
7 18-11-2022 (Sexta-feira) 19:00 - 21:00 2:00 Online síncrona
8 19-11-2022 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona

INSCREVER-ME
198

Pensar a Educação

ACD

 

3.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Centro de Artes e Espetáculos da Figueira da Foz


Ler mais Ler menos

Ref. 1491 Inscrições abertas até 21-10-2022

Registo de acreditação: CFAEBM-072223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 3.0 horas

Início: 28-10-2022

Fim: 28-10-2022

Regime: Presencial

Local: Centro de Artes e Espetáculos da Figueira da Foz

Formador

Fernanda Paula Fernandes dos Reis Pinheiro

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 28-10-2022 (Sexta-feira) 17:00 - 20:00 3:00 Presencial

INSCREVER-ME

Um Pé na Maré - Como transformar a zona entremarés num recurso pedagógico?

ACD

 

6.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Figueira da Foz

As marés determinam o ritmo dos ciclos de vida ecomportamentos de muitos seres vivos, marinhos e terrestres. Na zona entremarés rochosa é fácil observar espécies muito diversas. Algumas vivem mais tempo imersas, enquanto outras podem viver várias horas fora de água, durante a maré baixa. Infelizmente, a ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1661 Inscrições abertas até 21-10-2022

Registo de acreditação: CFAEBM-112223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 29-10-2022

Fim: 29-10-2022

Regime: Presencial

Local: Figueira da Foz

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar e SERMARE, Universidade de Coimbra

Razões

As marés determinam o ritmo dos ciclos de vida ecomportamentos de muitos seres vivos, marinhos e terrestres. Na zona entremarés rochosa é fácil observar espécies muito diversas. Algumas vivem mais tempo imersas, enquanto outras podem viver várias horas fora de água, durante a maré baixa. Infelizmente, a vida na zona entremarés e os seus habitats são ameaçados por atividades humanas, como as alterações climáticas, a poluição e a pesca. A AFCD “Um Pé na Maré”, que decorre no âmbito do projeto bLueTIDE, pretende capacitar os educadores de infância e professores, de todos os níveis de ensino, para que se tornem independentes e confiantes no ensino de conceitos científicos relacionados com a zona entremarés rochosa

Objetivos

- Reconhecer a zona entremarés como recurso pedagógico; - Desenvolver competências teóricas e práticas para a realização de saídas de campo na zona entremarés.

Conteúdos

- O que é a zona entremarés? - Como se formam as poças de maré? - Marés - Distribuição dos organismos na zona entremarés: fatores físico-químicos e biológicos - Adaptações dos organismos à zona entremarés - Pressões sobre o ecossistema - Porque devemos preservar a zona entremarés?


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 29-10-2022 (Sábado) 09:00 - 12:00 3:00 Presencial
2 29-10-2022 (Sábado) 13:30 - 16:30 3:00 Presencial

INSCREVER-ME
165

O que é uma sociedade justa? A perspetiva de Rawls

Curso

 

25.0 horas

 

e-learning

 

Professores do Grupo 410

online

A questão da justiça social, centrada na discussão da proposta de John Rawls, é um dos mais relevantes tópicos filosóficos incluídos nas Aprendizagens Essências do 10º ano de Filosofia, além de se tratar de um problema de inegável atualidade social. Trata-se de uma questão filosófica cuja lecionação é ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1331 Inscrições abertas até 28-10-2022

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-112080/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 04-11-2022

Fim: 12-11-2022

Regime: e-learning

Local: online

Destinatários

Professores do Grupo 410

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Grupo 410. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Grupo 410.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas Beira Mar e Associação de Professores de Filosofia

Razões

A questão da justiça social, centrada na discussão da proposta de John Rawls, é um dos mais relevantes tópicos filosóficos incluídos nas Aprendizagens Essências do 10º ano de Filosofia, além de se tratar de um problema de inegável atualidade social. Trata-se de uma questão filosófica cuja lecionação é relativamente recente e que muitos docentes da disciplina de Filosofia sentem não estar ainda suficientemente solidificada, seja em termos didáticos como científicos. Esta ação visa, por isso, responder às reais necessidades de muitos professores da disciplina de Filosofia.

Objetivos

O objetivo principal é proporcionar aos formandos a oportunidade de atualizarem e aprofundarem os conhecimentos teórico-práticos na área da filosofia política, de modo a desenvolverem as competências científicas relacionadas com a lecionação do problema filosófico em causa, permitindo-lhes também construir recursos didáticos com qualidade e adequados à renovação do processo pedagógico. Nesse sentido, espera-se que os formandos venham: - Compreender melhor o problema da justiça social e o conceito de justiça em causa; - Contextualizar histórica e filosoficamente a teoria da justiça de Rawls. - Analisar o método contratualista proposto por Rawls para encontrar os princípios da justiça; - Conhecer os textos de referência, nomeadamente as passagens relevantes da obra de referência de Rawls, em particular acerca dos princípios da justiça; - Conhecer as principais críticas à teoria de Rawls, em especial as libertárias e comunitaristas; - Iniciar a elaboração de materiais didáticos originais para usar nas aulas com os alunos.

Conteúdos

1. Contextualizar histórica e filosoficamente o problema da justiça redistributiva e a noção básica de justiça: utilitarismo e intuicionismo 2. A abordagem contratualista de Rawls: a posição original e o véu de ignorância 3. Os pressupostos subjacentes à posição original 4. Os princípios da justiça e sua articulação 5. A justificação dos princípios: estratégia maximin e equilíbrio refletido 6. Críticas comunitaristas à teoria da justiça de Rawls 7. Críticas libertaristas à teoria da justiça de Rawls 8. Críticas igualitaristas à teoria da justiça de Rawls 9. O impacto da teoria da justiça de Rawls 10. Propostas de trabalho a desenvolver com os alunos.

Metodologias

As sessões síncronas terão um caráter misto: teórico-prático. A parte inicial será dedicada ao conhecimento das fontes textuais e ao esclarecimento dos conceitos centrais envolvidos. A parte seguinte será destinada ao debate orientado e ao esclarecimento de dúvidas. Cada sessão síncrona terminará com a apresentação de propostas de realização de tarefas práticas, a realizar nas sessões assíncronas. As tarefas das sessões assíncronas incidirão sobre os aspetos didáticos, com a concretização das propostas de planificação para lecionação dos temas contemplados nas Aprendizagens Essenciais.

Avaliação

A avaliação consistirá num trabalho final que incluirá uma proposta completa de lecionação de um dos subtemas (duas a três aulas), a qual deve incluir os recursos a utilizar, acompanhados de uma adequada justificação didática e filosófica e que será discutido na última sessão síncrona. A avaliação terá ainda em conta a qualidade dos contributos de cada formando nos debates presenciais e na realização das tarefas das sessões assíncronas. • Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais. • Trabalhos práticos e reflexões críticas efectuadas, a partir das e nas sessões presenciais, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados na escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – Setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores - Excelente.

Bibliografia

- Kukathas, C e Pettit, P. (1990) Rawls: “Uma Teoria da Justiça” e seus Críticos. Lisboa: Gradiva, 2005. - Rawls, John (1993) O Liberalismo Político. Lisboa: Editorial Presença, 1996. - Rawls, John (1971) Uma Teoria da Justiça. Lisboa: Editorial Presença, 2001. - Rosas, João Cardoso (2011) Concepções da Justiça Lisboa: Edições 70.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 04-11-2022 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
2 05-11-2022 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
3 11-11-2022 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
4 12-11-2022 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona

INSCREVER-ME
162

Os Lusíadas na Escola

Colóquio

 

13.0 horas

 

Presencial

 

Professores dos Grupos 200, 210, 220 e 300

Centro de Artes e Espetáculos da Figueira da Foz

Os Lusíadas (publicados pela primeira vez há 450 anos) estão presentes no cânone literário escolar desde que este se constituiu e estabilizou em finais do século XIX. As alterações que se vêm verificando na Escola, tanto nos aspetos logísticos como no que diz respeito aos objetivos cívicos e pessoais a ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1301 Inscrições abertas até 13-11-2022

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-113762/22

Modalidade: Colóquios; congressos; simpósios; jornadas ou iniciativas congéneres

Duração: 13.0 horas

Início: 18-11-2022

Fim: 19-11-2022

Regime: Presencial

Local: Centro de Artes e Espetáculos da Figueira da Foz

Destinatários

Professores dos Grupos 200, 210, 220 e 300

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 200, 210, 220 e 300. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 200, 210, 220 e 300.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar, Centro de Literatura Portuguesa, Centro de Estudos Humanísticos da Universidade dos Açores, Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra. Apoio: CM Figueira da Foz

Razões

Os Lusíadas (publicados pela primeira vez há 450 anos) estão presentes no cânone literário escolar desde que este se constituiu e estabilizou em finais do século XIX. As alterações que se vêm verificando na Escola, tanto nos aspetos logísticos como no que diz respeito aos objetivos cívicos e pessoais a alcançar justificam um debate sobre os procedimentos pedagógicos que vêm prevalecendo. Num plano diferente, as dinâmicas de investigação que se verificam nos estudos literários em geral e nos estudos camonianos em particular, requerem um esforço de formação contínua, tendo em vista o ajustamento e a adequação dos conteúdos e das perspetivas.

Objetivos

Os objetivos a atingir pela presente iniciativa de formação são essencialmente de quatro tipos. No plano científico, visa-se proporcionar uma formação atualizada aos professores, com base nas aquisições mais recentes e mais sólidas que têm sido objeto de pesquisa e publicação. No plano didático, pretende-se promover a divulgação de práticas de sucesso, convocando o testemunho de docentes que se vêm consagrando ao ensino da epopeia camoniana. Um terceiro objetivo relaciona-se com interdiscursividade do texto camoniano, destacando as múltiplas experiências de adaptação que têm sido feitas no plano da imagem e do suporte, com o objetivo de tornar o texto mais atrativo. Por último, através do testemunho de personalidades de relevo na vida cívica, procura-se identificar o rasto camoniano criado pela Escola na sensibilidade e na memória dos cidadãos.

Conteúdos

Primeiro dia 1. Sessão de abertura, com explicação da estrutura e dos objetivos do Congresso. 2. Painel “Os estudos camonianos”: balanço crítico das orientações mais influentes que vêm marcando esta área de pesquisa, em ambiente universitário. 3. Painel “Camões, uma presença viva na literatura e nas artes de hoje”: depoimentos de ilustradores da epopeia de Camões e perspetivas de futuro, em ambiente digital. Segundo dia Painéis 1 e 2: “O que fazer com Os Lusíadas na Escola? dificuldades e indicadores de sucesso”: Apresentação e discussão de experiências concretas de ensino, a partir dos conteúdos programáticos em vigor. Painel 3: “Um poema para todos”, adaptações de Os Lusíadas, do século XVI aos nossos dias: resenha histórica dos esforços de ajustamento da epopeia camoniana a públicos juvenis. Painel 4: Depois da Escola (o rasto de Os Lusíadas): testemunhos de figuras da vida cívica portuguesa, a partir do contacto que tiveram com a epopeia de Camões em contexto escolar. Painel 5: Os Lusíadas nos programas escolares: exame das práticas pedagógicas mais correntes e análise de algumas possibilidades de ajustamento e reconversão

Metodologias

O Congresso constará sobretudo de conferências e mesas-redondas. A organização do Programa contemplará, no entanto, períodos regulares destinados a intervenções do público. Esse objetivo será assegurado através da existência de moderadores experientes e qualificados. Acredita-se que o teor das matérias em discussão (designadamente a sua aplicabilidade prática) será suficientemente motivador. Elaboração de uma reflexão sobre a acção.

Avaliação

• Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais. • Reflexões efectuadas, a partir das e nas sessões presenciais, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados nas escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – Setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores - Excelente.

Modelo

Os formandos deverão frequentar pelo menos 2/3 das atividades previstas no Programa do Congresso. Deverão, depois, em conformidade com os critérios em vigor, elaborar um Relatório pessoal, a avaliar pelos promotores do Congresso.

Bibliografia

Alves, Hélio João S.,Camões, Corte-Real e o sistema da poesia épica quinhentista, Coimbra, Centro interuniversitário de Estudos Camonianos, 1999; Bernardes, José Augusto Cardoso Bernardes e Rui Afonso Mateus, A Literatura e o Ensino do Português, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2013; Bernardes, José Augusto Cardoso, A Oficina de Camões. Apontamentos sobre Os Lusíadas, Coimbra, Imprensa da Universidade (Série Investigação), 2022; Fraga, Maria do Céu, Os géneros maiores na poesia lírica de Camões, Coimbra, Centro Interuniversitário de Estudos Camonianos, 2003; Silva, Vítor Manuel Aguiar e, A Lira Dourada e a Tuba canora, Lisboa, Cotovia, 2008


Observações

Os docentes que não pertencem aos Grupos de Docência 200, 210, 220 e 300 terão direito a um Certificado de participação.


INSCREVER-ME

A primeira acção influi na recuperação – “APAIR”
Esta AFCD destina-se exclusivamente a Pessoal Docente do Agrupamento de Escolas de Mira

ACD

 

6.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Mira

O primeiro socorro caracteriza-se pelo tratamento inicial e temporário efetuado a acidentados e/ou vítimas de doença súbita. Pretende-se, com ele, preservar a vida, minorar a incapacidade e reduzir o sofrimento. De acordo com o contexto, pode necessitar de cuidados como proteção de feridas, imobilização de ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1601 Inscrições abertas até 29-11-2022

Registo de acreditação: CFAEBM-092223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 30-11-2022

Fim: 14-12-2022

Regime: Presencial

Local: Agrupamento de Escolas de Mira

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Despacho n.º 5741/.2015 - Enquadra-se na possibilidade de ser reconhecida e certificada como ação deformação de curta duração a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 22/2014.

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Razões

O primeiro socorro caracteriza-se pelo tratamento inicial e temporário efetuado a acidentados e/ou vítimas de doença súbita. Pretende-se, com ele, preservar a vida, minorar a incapacidade e reduzir o sofrimento. De acordo com o contexto, pode necessitar de cuidados como proteção de feridas, imobilização de fraturas, controlo de hemorragias externas, desobstrução das vias respiratórias e/ou realização de manobras de Suporte Básico de Vida (SBV). A escola é o local onde crianças, pessoal docente e não docente passam grande parte do dia. As crianças, pela sua natureza e imaturidade são ainda mais suscetíveis à ocorrência de acidentes. Assim sendo, faz todo o sentido investir na formação de todos, mas, especialmente, na dos adultos que as rodeiam.

Objetivos

- Aumentar a literacia em cuidados de primeiros socorros ao pessoal docente e não docente do AE de Mira - Instruir sobre resposta adequada em variadas situações de primeiros socorros, salientando a importância do pedido de ajuda precoce, o alerta e a assertividade na prestação do socorro à vítima - Capacitar pessoal docente e não docente para a prestação de primeiros socorros adequados, incluindo o SBV - Assegurar um Kit atualizado em cada um dos estabelecimentos de ensino do AE de Mira

Conteúdos

Realização de formação ao pessoal docente e não docente sobre primeiros socorros: • salientando a importância do pedido de ajuda precoce, o alerta e a assertividade na prestação do socorro à vítima • demonstrando a prática do Algoritmo de SBV • promovendo atitudes e comportamentos adequados em situação de acidente escolar • capacitando para o SB e para o SBV


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 30-11-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 16:30 2:00 Presencial
2 07-12-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 16:30 2:00 Presencial
3 14-12-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 16:30 2:00 Presencial

INSCREVER-ME

A primeira acção influi na recuperação – “APAIR”
Esta AFCD destina-se exclusivamente a Pessoal Não Docente do Agrupamento de Escolas de Mira

ACD

 

6.0 horas

 

Presencial

 

Pessoal não docente;

Agrupamento de Escolas de Mira

O primeiro socorro caracteriza-se pelo tratamento inicial e temporário efetuado a acidentados e/ou vítimas de doença súbita. Pretende-se, com ele, preservar a vida, minorar a incapacidade e reduzir o sofrimento. De acordo com o contexto, pode necessitar de cuidados como proteção de feridas, imobilização de ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1611 Inscrições abertas até 29-11-2022

Registo de acreditação: CFAEBM-102223

Modalidade: Ação curta duração

Duração: 6.0 horas

Início: 30-11-2022

Fim: 14-12-2022

Regime: Presencial

Local: Agrupamento de Escolas de Mira

Destinatários

Pessoal não docente;

Certificado pelo

CDCP - Conselho de Diretores da Comissão Pedagógica

Entidade formadora/Parceria

CFAE Beira Mar

Razões

O primeiro socorro caracteriza-se pelo tratamento inicial e temporário efetuado a acidentados e/ou vítimas de doença súbita. Pretende-se, com ele, preservar a vida, minorar a incapacidade e reduzir o sofrimento. De acordo com o contexto, pode necessitar de cuidados como proteção de feridas, imobilização de fraturas, controlo de hemorragias externas, desobstrução das vias respiratórias e/ou realização de manobras de Suporte Básico de Vida (SBV). A escola é o local onde crianças, pessoal docente e não docente passam grande parte do dia. As crianças, pela sua natureza e imaturidade são ainda mais suscetíveis à ocorrência de acidentes. Assim sendo, faz todo o sentido investir na formação de todos, mas, especialmente, na dos adultos que as rodeiam.

Objetivos

- Aumentar a literacia em cuidados de primeiros socorros ao pessoal docente e não docente do AE de Mira - Instruir sobre resposta adequada em variadas situações de primeiros socorros, salientando a importância do pedido de ajuda precoce, o alerta e a assertividade na prestação do socorro à vítima - Capacitar pessoal docente e não docente para a prestação de primeiros socorros adequados, incluindo o SBV - Assegurar um Kit atualizado em cada um dos estabelecimentos de ensino do AE de Mira

Conteúdos

Realização de formação ao pessoal docente e não docente sobre primeiros socorros: • salientando a importância do pedido de ajuda precoce, o alerta e a assertividade na prestação do socorro à vítima • demonstrando a prática do Algoritmo de SBV • promovendo atitudes e comportamentos adequados em situação de acidente escolar • capacitando para o SB e para o SBV


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 30-11-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 16:30 2:00 Presencial
2 07-12-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 16:30 2:00 Presencial
3 14-12-2022 (Quarta-feira) 14:30 - 16:30 2:00 Presencial

INSCREVER-ME
182

O problema do livre-arbítrio no programa de filosofia do ensino secundário

Curso

 

25.0 horas

 

e-learning

 

Professores do Grupo 410

online

O problema do livre-arbítrio é um dos temas das Aprendizagens Essenciais de Filosofia o 10.º ano. Introduzido como problema metafísico há alguns anos no ensino secundário, o conhecimento acessível aos professores do sistema de ensino português sobre este tema é obtido sobretudo a partir dos manuais ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1431 Inscrições abertas até 16-12-2022

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-112200/21

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 07-01-2023

Fim: 10-02-2023

Regime: e-learning

Local: online

Destinatários

Professores do Grupo 410

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Grupo 410. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Grupo 410.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas Beira Mar e Associação de Professores de Filosofia

Razões

O problema do livre-arbítrio é um dos temas das Aprendizagens Essenciais de Filosofia o 10.º ano. Introduzido como problema metafísico há alguns anos no ensino secundário, o conhecimento acessível aos professores do sistema de ensino português sobre este tema é obtido sobretudo a partir dos manuais escolares ou de textos de divulgação filosófica para o grande público. O curso tem como principais objetivos aproximar os formandos da discussão contemporânea em torno de um dos problemas centrais da filosofia: o problema do livre-arbítrio, promovendo o contacto e a discussão com textos de referência da discussão neste domínio, com vista ao reforço do conhecimento dos professores, essencial para uma preparação didática das atividades letivas.

Objetivos

1. Apresentar a relação entre o problema do livre-arbítrio e o princípio das possibilidades alternativas. 2. Formular explicitamente o “Argumento da Consequência” de Peter van Inwagen. 3. Relacionar o argumento da consequência com as diferentes perspetivas sobre o problema do livre-arbítrio. 4. Caracterizar a resposta ao argumento da consequência baseada na análise condicional do princípio das possibilidades alternativa. 5. Explicitar a resposta ao argumento da consequência baseada na rejeição do princípio das possibilidades alternativas: os casos de Frankfurt. 6. Avaliar criticamente as diferentes perspetivas em confronto.

Conteúdos

1.ª sessão | 3 horas: - Apresentação dos participantes e formadores; - Informação sobre os objetivos da ação, conteúdos formativos e metodologia de avaliação; - Distribuição de material; - Breve retrospetiva da discussão do problema do livre-arbítrio; - Explicitação da relação entre o problema do livre-arbítrio e o princípio das possibilidades alternativas. 2.ª sessão | 3 horas: - Leitura de textos de Peter van Inwagen; - Formulação explícita do argumento da consequência; - Articulação do argumento da consequência com as diferentes perspetivas sobre o problema do livre-arbítrio. 3.ª sessão | 3 horas: - Caracterização da resposta ao argumento da consequência baseada na análise condicional do princípio das possibilidades alternativas; - Discussão da análise condicional do princípio das possibilidades alternativas. 4.ª sessão | 3 horas: - Explicitar a resposta ao argumento da consequência baseada na rejeição do princípio das possibilidades alternativas: os casos de Frankfurt: - Apresentação dos casos de Frankfurt; - Discussão dos casos de Frankfurt. - Avaliar criticamente as diferentes perspetivas em confronto. 5.ª sessão | 3 horas: - Introdução à lógica modal proposicional. 6.ª sessão | 3 horas: - Leitura de textos de Peter van Inwagen; - Formulação explícita da versão modal do “Argumento da Consequência”; - Discussão crítica da versão modal do “Argumento da Consequência”. 7.ª sessão | 3 horas: - Objeção dos mundos sem passado. 8.ª sessão | 3 horas: - O compatibilismo de milagres locais, de David Lewis. 9.ª sessão | 1 hora: - Avaliação.

Metodologias

O curso terá a duração de 25h e cada sessão terá como ponto de partida a análise, e subsequente discussão, de um argumento e/ou texto de referência.

Avaliação

• Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas síncronas. • A avaliação consistirá numa pequena resenha crítica sobre uma das teorias/argumentos discutidas/os e sua aplicação em contexto de sala de aula, com explicitação descritiva de um percurso didático. • Trabalhos práticos e reflexões críticas efetuadas, a partir das e nas sessões presenciais, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados nas escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – Setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores - Excelente.

Bibliografia

Conee, Earl & Sider, Theodore (2005). “Livre-arbítrio e Determinismo” in Enigmas da Existência. Lisboa: Editorial Bizâncio, 2010, 145–171. Kane, Robert (2005). A Contemporary Introduction to Free Will. Oxford: Oxford University Press. van Inwagen, Peter (1983). An Essay on Free Will. Oxford: Oxford University Press. Watson, Gary (2003). Free Will. 2nd Ed. New York: Oxford University Press.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-01-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
2 13-01-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
3 14-01-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
4 20-01-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
5 21-01-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
6 27-01-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
7 28-01-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
8 03-02-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona
9 04-02-2023 (Sábado) 09:30 - 12:30 3:00 Online síncrona
10 10-02-2023 (Sexta-feira) 18:00 - 20:00 2:00 Online síncrona

INSCREVER-ME

Religião, razão e fé: o problema da existência de Deus

Curso

 

25.0 horas

 

e-learning

 

Professores do Grupo 410

online

A existência de Deus é o pressuposto central das grandes religiões e, por isso mesmo, um dos problemas centrais da filosofia da religião, que é um dos quatro grandes núcleos temáticos das Aprendizagens Essenciais de Filosofia do 11.º ano e uma das questões perenes da reflexão filosófica, com implicações de ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1501 Inscrições abertas até 17-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-116697/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 03-03-2023

Fim: 24-03-2023

Regime: e-learning

Local: online

Destinatários

Professores do Grupo 410

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Grupo 410. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do Grupo 410.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas Beira Mar e Associação de Professores de Filosofia

Razões

A existência de Deus é o pressuposto central das grandes religiões e, por isso mesmo, um dos problemas centrais da filosofia da religião, que é um dos quatro grandes núcleos temáticos das Aprendizagens Essenciais de Filosofia do 11.º ano e uma das questões perenes da reflexão filosófica, com implicações de grande relevância cultural, ética, social e pessoal. Embora este núcleo temático já fizesse parte do programa oficial de Filosofia, ele era de lecionação opcional, passando a ser de lecionação obrigatória com a implementação das Aprendizagens Essenciais. Isso significa que muitos professores poderiam não ter lecionado a filosofia da religião anteriormente, o que exige um esforço adicional de aprofundamento científico e de atualização didática. Esta ação visa precisamente responder a essa exigência, de modo a proporcionar aos professores a formação necessária a uma lecionação filosoficamente mais sólida e didaticamente mais motivadora para os alunos.

Objetivos

Justificar a importância cultural, social e pessoal da questão da existência de Deus Contextualizar a questão da existência de Deus e a sua importância para a filosofia da religião Distinguir e caracterizar as diferentes conceções da divindade Compreender as diferenças e afinidades entre o crente, o agnóstico e o ateu Conhecer os principais tipos de argumentos a favor e contra a existência de Deus e os respectivos textos de referência Distinguir diferentes perspetivas sobre a existência de Deus, na ausência de provas para ambos os lados Dominar a terminologia própria da filosofia da religião Desenvolver formas de discutir o problema da existência de Deus, respeitando as convicções de partida dos alunos Produzir e partilhar recursos didáticos originais e diversificados para usar nas aulas com os alunos Articular os recursos produzidos com a avaliação das aprendizagens dos alunos, tendo em conta as áreas de competência do PASEO

Conteúdos

1. O problema [1 hora síncrona] - Contextualização filosófica do problema da existência de Deus - Justificação da importância do problema da existência de Deus 2. A natureza da divindade: a conceção de deus [4 horas, duas das quais assíncronas] - Politeísmo, panteísmo, deísmo e teísmo - A conceção teísta de Deus e os atributos do Deus teísta 3. Argumentos teístas tradicionais a favor da existência do Deus [5 horas, duas das quais assíncronas] - Os argumentos cosmológicos: a versão de Tomás de Aquino e objeções - Os argumentos teleológicos: a versão de Tomás de Aquino e objeções - Os argumentos ontológicos: a versão de Anselmo e objeções - Desenvolvimentos modernos e contemporâneos dos argumentos tradicionais 4. Argumentos tradicionais contra a existência de Deus [4 horas, duas das quais assíncronas] - Argumentos do mal: o problema lógico e o problema da quantidade de indícios - Respostas teístas aos argumentos do mal - O ónus da prova e outros argumentos 5. Acreditar sem provas [4 horas, duas das quais assíncronas] - O fideísmo: a aposta de Pascal e objeções - Outros tipos de fideísmo 6. Propostas didáticas para a lecionação do problema da existência de Deus [7 horas assíncronas] - Organização de informação empírica de partida sobre a diversidade das religiões - Estratégias e recursos textuais e extratextuais - Propostas de avaliação diagnóstica e formativa

Metodologias

— As sessões síncronas serão de cariz teórico-prático. Nessa medida, a parte inicial será dedicada à caracterização do problema e suas implicações práticasa e ao esclarecimento dos conceitos centrais envolvidos. A parte seguinte consistirá na apresentação e formulação dos argumentos, juntamente com as respetivas fontes textuais, seguindo-se um debate orientado e o esclarecimento de dúvidas. Cada sessão síncrona terminará com a apresentação de propostas de realização de tarefas práticas, a realizar nas sessões assíncronas. — As sessões assíncronas na plataforma Moodle incidirão sobre a produção de materiais didáticos com a concretização das propostas de planificação para lecionação dos temas contemplados nas Aprendizagens Essenciais. Cada formando terá de fazer um comentário crítico e fundamentado a pelo menos uma proposta alheia apresentada.

Avaliação

• Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais. • A avaliação consistirá num trabalho final que incluirá uma proposta completa de lecionação de um dos subtemas (duas a três aulas), a qual deve incluir os recursos a utilizar, acompanhados de uma adequada justificação didática e filosófica e que será discutido na última sessão síncrona. A avaliação terá ainda em conta a qualidade dos contributos de cada formando nos debates presenciais e na realização das tarefas das sessões assíncronas. • Trabalhos práticos e reflexões críticas efetuadas, a partir das e nas sessões presenciais, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados na escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – Setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores - Excelente.

Bibliografia

Martin, Michael, (dir.) (2007). Um Mundo sem Deus: Ensaios sobre o Ateísmo. Lisboa: Edições 70, 2010. Murcho, Desidério (2020). A Existência de Deus: O Essencial. Lisboa: Plátano Editora. Plantinga, Alvin (1974). Deus, a Liberdade e o Mal. São Paulo: Edições Vida Nova, 2012. Rowe, William L. (2010). Introdução à Filosofia da Religião. Lisboa: Verbo, 2011. Swinburne, Richard (1996). Será que Deus Existe? Lisboa: Gradiva, 1998.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 03-03-2023 (Sexta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
2 10-03-2023 (Sexta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
3 17-03-2023 (Sexta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona
4 24-03-2023 (Sexta-feira) 18:30 - 21:00 2:30 Online síncrona

INSCREVER-ME
166

Ensinar com Humor: Reflexões Filosóficas sobre o Humor e Aplicações em Sala de Aula

Curso

 

25.0 horas

 

e-learning

 

Professores dos Grupos 300, 400 e 410

online

O humor e o riso são atributos universais ao ser humano e a todas as suas sociedades. Contudo, durante muito tempo o humor não foi visto, nem pensado, como sendo filosoficamente importante. O humor e o riso, pode mesmo afirmar-se, foram por vezes considerados como perigosos, pois, por exemplo, fazem com ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1341 Inscrições abertas até 24-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-115477/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 04-03-2023

Fim: 25-03-2023

Regime: e-learning

Local: online

Destinatários

Professores dos Grupos 300, 400 e 410

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 300, 400 e 410. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 300, 400 e 410.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação de Associação de Escolas Beira Mar e Associação de Professores de Filosofia

Razões

O humor e o riso são atributos universais ao ser humano e a todas as suas sociedades. Contudo, durante muito tempo o humor não foi visto, nem pensado, como sendo filosoficamente importante. O humor e o riso, pode mesmo afirmar-se, foram por vezes considerados como perigosos, pois, por exemplo, fazem com que as emoções se sobreponham ao autocontrole racional, ou contêm em si algo de malicioso (visto a comédia ser uma forma de desprezo do outro) ou, ainda, tendem a violar as regras (sejam elas as da conversação, do bom gosto e até da ética). Esta má reputação encontra uma clara expressão na personagem de Jorge de Burgos em O Nome da Rosa, quando afirma: “O riso é um vento demoníaco que deforma os contornos do rosto e faz os homens parecerem macacos”. A presente ação visa fornecer uma abordagem ampla do humor e da sua aplicabilidade no contexto da sala de aula, salientando a sua importância e pertinência atual, bem como apresentando alguns dos seus limites e perigos. Tratando-se de um tema transversal contribui para o desenvolvimento dos descritores dos domínios A, D, E, F, G, H e J, do Perfil dos alunos, podendo contribuir para a descoberta da complexidade e das subtilezas da vida e do pensamento, levando os alunos a desenvolverem capacidades de escuta, reflexão e pensamento criativo.

Objetivos

1. Compreender a natureza do humor e a sua aplicabilidade na sala de aula 2. Analisar as principais teorias do humor: superioridade, incongruência, alívio, jogo e disposicional 3. Explorar as potencialidades e limitações pedagógicas do humor na sala de aula 4. Refletir sobre a axiologia do humor 5. Desenvolver abordagens pedagógicas e dispositivos didáticos sobre o tema e que possam vir a ser partilhados como recursos educativos abertos

Conteúdos

1. A Seriedade do Humor 1.1. A má reputação do humor 1.2. Humor, verdade, virtude e a existência humana 2. A Natureza do Humor 2.1. Teoria da superioridade 2.2. Teoria da incongruência 2.3. Teoria do alívio 2.4. Teoria do jogo 2.5. Teoria disposicional 3. Humor na Sala de Aula 3.1. O conflito entre humor e educação 3.2. O problema do desinteresse e o humor como solução 3.3. Implicações pedagógicas: Os casos da exemplificação e do estilo-livre 3.4. Objeções e respostas 3.5. O pythonismo pragmático 4. Humor e Valor 4.1. Homo Sapiens e Homo Ridens 4.2. A sabedoria cómica 4.3. Humor e estética 4.4. Humor e ética 5. Humor e Auto-Transcedência

Metodologias

- As sessões serão de cariz teórico-prático. Nesse sentido, serão desenvolvidas atividades de leitura, análise e avaliação de textos e de construção de planificações, de materiais didáticos e de instrumentos de análise. - Os métodos usados serão o diálogo vertical e horizontal, o trabalho de grupo e o trabalho de pesquisa. Serão usados recursos como apresentações e textos. - Os conteúdos teórico-práticos serão explorados e discutidos nas sessões síncronas, a realizar na plataforma Zoom. - A componente prática, a realizar nas sessões síncronas na plataforma Zoom e no trabalho assíncrono / autónomo consiste na conceção de planificação de atividades e de recursos de aula que serão apresentados e discutidos nas sessões síncronas. - As plataformas Moodle e Zoom constituem dois dos elementos nucleares para a partilha de informações (textos, vídeos), avaliações (tarefas e reflexão final) e para a formação em geral.

Avaliação

A avaliação consistirá num trabalho final que incluirá uma proposta completa de lecionação de um dos subtemas, a qual deve incluir os recursos a utilizar, acompanhados de uma adequada justificação didática e filosófica e que será discutido na última sessão síncrona. A avaliação terá ainda em conta a qualidade dos contributos de cada formando nos debates presenciais e na realização das tarefas das sessões assíncronas. • Assiduidade e participação nas sessões - 20% • Realização de tarefas – 30% • Reflexão fundamentada – 50% • Obrigatoriedade de frequência de 2/3 das horas presenciais. • Trabalhos práticos e reflexões críticas efetuadas, a partir das e nas sessões presenciais, de acordo com os critérios previamente estabelecidos, classificados na escala de 1 a 10, conforme indicado na Carta Circular CCPFC – 3/2007 – Setembro 2007, com a menção qualitativa de: - 1 a 4,9 valores – Insuficiente; - 5 a 6,4 valores – Regular; - 6,5 a 7,9 valores – Bom; - 8 a 8,9 valores – Muito Bom; - 9 a 10 valores - Excelente.

Bibliografia

- Critchley, S. – On Humour. London: Routledge, 2002. - Mordechai, G. – Humor, Laughter and Human Flourishing: A Philosophical Exploration of the Laughing Animal. Hidelberg: Springr, 2014. - Morreall , J. (Ed.) – The Phillosophy of Laughter and Humor. Albany: SUNY, 1987. - Morreall, J. – Comic Relief: A Compreensive Philosophy of Humor. Malden: Wiley-Blackwell, 2009. - Morrison, M. K. – Using Humor to Maximize Learning. Lanham: Rowan & Littlefield Education, 2008.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 04-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
2 11-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:30 4:30 Online síncrona
3 18-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona
4 25-03-2023 (Sábado) 09:00 - 13:00 4:00 Online síncrona

INSCREVER-ME